Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

A pandemia de covid-19 custou 3.058,3 milhões de euros ao Estado até setembro, devido à perda da receita em 831,5 milhões e ao aumento da despesa em 2.226,8 milhões, divulgou hoje a DGO.

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

O impacto das medidas covid-19 até setembro é superior aos 2.521,7 milhões de euros registados até agosto.

Sobre a execução até setembro, do lado da receita, a DGO destaca a perda das contribuições devido à isenção de pagamento de Taxa Social Única (TSU) em 470 milhões de euros no âmbito do regime de ‘lay-off’ simplificado, apoio à retoma progressiva e incentivo financeiro à normalização da atividade empresarial.

Já as prorrogações de pagamento de impostos, a pagar a partir do 2.º semestre, por um período de até seis meses resultaram numa perda de receita de 110,9 milhões de euros para o IVA e de 36,1 milhões de euros para as retenções na fonte de IRS e IRC.

Do lado da despesa, o ‘lay-off’ foi a medida com maior impacto, com um custo de 817,7 milhões de euros, seguida das despesas associadas à saúde (331,8 milhões de euros), nomeadamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e medicamentos.

A despesa com o apoio extraordinário à redução da atividade económica dos trabalhadores independentes totalizou 183,6 milhões de euros e o incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial ascendeu a 169,5 milhões de euros, indica a DGO.

Com custos inferiores a 100 milhões de euros estão o reforço dos recursos humanos (contratações, horas extra e outros abonos), com uma despesa associdada de 88,2 milhões de euros até setembro, o apoio excecional à familia (82,9 milhões de euros), ventiladores e outros equipamentos para o Serviço Nacional de Saúde (67,2 milhões de euros), entre outros.

As baixas por isolamento profilático custaram até setembro 36,6 milhões de euros, enquanto a prorrogação do subsídio social de desemprego 41,2 milhões e o programa Adaptar 27,3 milhões de euros.

Na despesa com ativos financeiros estão ainda 50,3 milhões de euros com a linha de apoio ao turismo para microempresas.

A DGO assinala que “na ausência das despesas associadas às medidas no âmbito da covid-19, a despesa efetiva das Administrações Públicas teria crescido 1,7% face ao mesmo período do ano anterior (em vez de 5,2%) e a receita efetiva teria diminuído 5,6% (em vez de 6,9%)”.

Os dados da DGO não integram as medidas de apoio ao financiamento à economia que não têm impacto em contabilidade orçamental, “como é o caso das que se consubstanciam na prestação de garantias pelo Estado nas linhas de apoio à Economia, bem como outras medidas que, ainda que decorrentes de medidas legislativas, referem-se ao setor privado, de entre as quais se destaca a moratória concedida pelo setor bancário, moratórias nas rendas, e a impossibilidade de as empresas que prestam serviços essenciais (“utilities”) suspenderem serviços em função de quebra no pagamento”.

Segundo a execução orçamental, o défice das contas públicas agravou-se em 7.767 milhões de euros até setembro face ao período homólogo, totalizando 5.179 milhões de euros.

Ler mais

Relacionadas

Dados da execução orçamental mostram défice de mais de 5 mil milhões de euros até setembro

Contrastando com o superavit que se verificava em igual período do ano passado, o saldo das administrações públicas portuguesas é agora negativo, depois da quebra de receita que trouxe a diminuição da atividade económica e do aumento da despesa para fazer face aos efeitos nefastos da crise pandémica.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários