Pandemia já matou quase 4,12 milhões de pessoas em todo o mundo

A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 4.119.920 pessoas em todo o mundo desde que foi detetado o primeiro caso na China, no final de 2019, avança hoje o balanço diário feito pela agência AFP.

ESTELA SILVA / LUSA

De acordo com o balanço, elaborado com base em informação de fontes oficiais, foram diagnosticados 191.365.730 casos de infeção pelo coronavírus SARS-Cov-2, que provoca a doença respiratória covid-19, desde dezembro de 2019.

A maioria destes doentes já recuperou da infeção, mas uma parte – ainda mal avaliada – mantém os sintomas durante semanas ou até meses, alerta o relatório divulgado às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa).

Nas últimas 24 horas, foram registadas em todo o mundo mais 17.230 mortes causadas pela infeção e contabilizados 565.708 novos casos, sendo que os países com números mais elevados foram o Equador, com 8.786 mortes, a Índia, com 3.998 vítimas mortais e o Brasil, com 1.424 óbitos.

O aumento no número de mortes no Equador deve-se, segundo explica a agência francesa de notícias, a “um reajuste feito pelo Ministério da Saúde, que agregou prováveis casos de covid-19 de relatórios anteriores”.

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado em termos de mortes e de número de casos, com 609.529 mortes para 34.174.774 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 544.180 mortes e 19.419.437 casos, a Índia, com 418.480 mortes (31.216.337 casos), o México, com 236.810 mortes (2.678.297 casos) e o Peru, com 195.332 mortes (2.096.013 casos).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 592 mortes por cada 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (311), Bósnia (295), República Checa (283) e Macedónia do Norte (263).

Os números são baseados em relatórios comunicados diariamente pelas autoridades sanitárias de cada país e excluem as revisões efetuadas depois por determinados organismos de estatística, que contabilizam habitualmente números muito superiores de óbitos.

A Organização Mundial de Saúde chega a estimar, levando em consideração o excesso de mortalidade direta e indireta associado à covid-19, que os resultados da pandemia podem ser duas a três vezes maiores do que os registados oficialmente.

Segundo a organização, uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos nunca chega a ser detetada, apesar da intensificação do rastreamento em muitos países.

Recomendadas

Sindicatos reúnem-se com Governo para debater insolvência da Groundforce

A reunião, por videoconferência, deverá contar com a maioria das estruturas sindicais representadas na empresa, conta com a presença do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Mendes, e tem como objetivo informar os trabalhadores sobre o processo. 

Ilha de Santo Antão lidera cobertura da vacinação em Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, e representantes de partidos políticos apelaram na segunda-feira à adesão da população à campanha de vacinação contra a covid-19, sobretudo na ilha de Santiago, onde o processo está mais atrasado.

Jovens saudáveis dos 12 aos 15 anos têm que esperar por ‘task force’ para vacinação

A DGS determina que as crianças com idades entre os 12 e os 15 anos que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica estão entre as que devem ser vacinadas prioritariamente contra a covid-19.
Comentários