Sustentabilidade: presidente da APA sugere dia de teletrabalho semanal para limitar emissões de veículos

Nuno Lacasta participou na conferência Building a Connected Green Future, promovida pelo Jornal Económico e pela Huawei, está integrada na EU Green Week 2021, que será retransmitida através da plataforma multimédia JE TV, esta segunda-feira, 14 de junho, às 11h00.

Cristina Bernardo

O presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) sugeriu, na conferência Building a Connected Green Future, a possibilidade de as cidades enveredarem por um dia semanal de teletrabalho, para reforçar a sustentabilidade ambiental, enquanto a mobilidade elétrica não se generaliza.

“Temos que, como sociedade, abrir os olhos e ser capazes, nesta saída de confinamento e de gestão pandémica, de perceber que, de facto, se calhar, o ‘Santo Graa’l, ‘o ovo de Colombo’ da gestão da qualidade do ar nas cidades, da redução das doenças respiratórias, que matam cerca de 300 mil pessoas por ano na Europa, cerca de 6 mil em Portugal, metade dos valores da pandemia, anualmente, poderiam simplesmente ser atalhados, à míngua de termos só veículos não poluentes a circular”, disse Nuno Lacasta. “Até lá, [à generalização da mobilidade elétrica], se calhar, um dia por semana em casa reduz-nos e de que maneira emissões, reduz-nos e de que maneira importações de combustíveis fósseis, que estamos a estimar na casa dos dois a quatro biliões de euros por ano – são dívidas que não saem do país –, reduz-nos, evidentemente, doenças respiratórias e aumenta-nos brutalmente a qualidade do ar e o bem estar nas cidades”, sugeriu.

A conferência Building a Connected Green Future, promovida pelo Jornal Económico (JE) e pela Huawei, está integrada na EU Green Week 2021 e será retransmitida através da plataforma multimédia JE TV, esta segunda-feira, 14 de junho, às 11h00. Contou com a participação, além do presidente da APA; de Luís Neves, CEO da Global Enabling Sutainability Initiative (GeSI); de João Pedro Nascimento, diretor de Engenharia e Operações da Altice; e de Paulo Pereira, Key Account Director da Huawei. A moderação esteve a cargo de Filipe Alves, diretor do JE.

Todos os oradores foram unânimes a considerar que as limitações impostas à mobilidade, no âmbito do combate à pandemia de Covid-19, tiveram como consequência positiva uma melhoria das condições ambientais.

“Como se viu agora, as comunicações permitem encurtar distâncias entre pessoas, entre máquinas, entre máquinas e pessoas, e permite desmaterializar muito viagens. Nos últimos dois anos nós conseguimos reduzir imenso o número de viagens de trabalho, com reuniões remotas”, referiu João Pedro Nascimento, sublinhando o papel das comunicações no processo. “Reduziu a pegada ambiental muito na parte da mobilidade, porque se reduziram muito as deslocações e, também, a médio prazo, vai reduzir muito a questão de instalações físicas, que têm consumos energéticos elevados”, disse.

Concordando com a preocupação manifestada pelos oradores, o presidente da APA defendeu que esta é “a última janela de oportunidade, ou seja, por um lado temos esta década para reduzir de forma precipitada emissões e a verdade é que não podemos lá ir só com abordagens incrementais”.

A conferência será retransmitida através da plataforma multimédia JE TV e das contas do Jornal Económico nas principais redes sociais, a partir das 11h00, e continuará disponível em www.jornaleconomico.pt.

Recomendadas

Ryanair ajuda em 250 mil euros projeto de replantação da Serra de Monchique

Os incêndios queimaram mais de 28 mil hectares na Serra de Monchique, em 2018. Até ao momento, o Renature Monchique já plantou 137 mil árvores autóctones e apoiou cerca 41 proprietários e as famílias afetadas pela catástrofe.

Governo aprova restrições para detergentes e cosméticos com microplásticos

A 24 de novembro do ano passado a Assembleia da República aprovou uma proposta, apresentada pelo PAN, de alteração do Orçamento do Estado para este ano, para proibir a comercialização daqueles produtos que contenham microplásticos.

Europeus pagam energia mais cara porque Comissão não proíbe lâmpadas fluorescentes, acusam ambientalistas

Cidadãos e empresas da União Europeia (UE) estão a pagar contas mais elevadas de energia porque a Comissão Europeia mantém no mercado as lâmpadas fluorescentes que devia ter proibido em 2018, acusam organizações ambientalistas internacionais.
Comentários