Pardal Henriques diz que acordo Antram-Fectrans foi feito “à revelia dos camionistas”

O porta-voz do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) considerou que o acordo Antram-Fectrans foi feito à revelia dos motoristas e disse acreditar ser ainda possível esta quinta-feira uma reunião com o patronato.

pedro_pardal_henriques_vice-presidente_SNMMP
Vice-presidente, porta-voz e advogado do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques | Miguel A. Lopes/Lusa

Trata-se de um “acordo que foi assinado à revelia de tudo aquilo que os motoristas pretendiam. O país está em estado de crise energética porque os motoristas têm-se revoltado e têm reclamado condições que não são aquelas que estão no acordo, e a Antram e a Fectrans resolveram celebrar um acordo contra a vontade dos motoristas”, disse Pedro Pardal Henriques à comunicação social em Aveiras de Cima, distrito de Lisboa.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afeta à CGTP, assinaram na quarta-feira à noite um acordo relativo ao contrato coletivo de trabalho numa reunião no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, em Lisboa.

O coordenador nacional da Fectrans, José Manuel Oliveira, disse que o acordo resolve algumas das “questões nucleares” dos trabalhadores, prevendo aumentos salariais de pelo menos 120 euros.

O vice-presidente da Antram Pedro Polónio afirmou que o acordo agora assinado permite “concretizar, de uma forma um pouco mais fina, aquilo que tinham sido as grandes questões que ficaram acordadas em maio”.

Para o porta-voz do SNMMP, “a Fectrans deveria representar a vontade dos sócios e não foi aquilo que aconteceu”.

“Fez aquilo que os dirigentes assim o entenderam e, ainda por cima, patrocinado, com pompa e circunstância, pelo ministério, que saiu para anunciar o acordo histórico”, declarou.

Sobre o desafio feito à Antram para uma reunião hoje à tarde, Pardal Henriques disse que estará às 15:00, na Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), em Lisboa, a aguardar que a associação tenha a coragem de falar com o SNMMP.

Pedro Polónio disse que a Antram não participará na reunião, alegando que a Antram não negoceia enquanto durar a greve dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias.

“É fácil dizer que não está presente quando atrás de nós temos um Governo, temos as Forças Armadas que tudo fazem para impedir [a greve], temos as forças policiais (…), temos ministros a anunciar que se estas pessoas manifestarem o direito à greve podem incorrer na pena de prisão até dois anos”, comentou Pardal Henriques.

“Está protegido pelo Governo, está protegido pelas forças que deveriam estar a servir o país e que, em vez de estarem a servir o país, estão a proteger o poder económico e os interesses do Governo, é fácil dizer ‘eu não vou sentar com vocês, vocês só se sentam comigo se eu quiser e vocês têm de desconvocar a greve’”, acrescentou.

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumpriram na quarta-feira o terceiro dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

Segundo Pardal Henriques, a greve é para manter.

Ler mais
Relacionadas

CGTP e ANTRAM chegam a acordo sobre camionistas

“Concluímos esta primeira fase, este acordo é o acordo que é possível”, disse no final desta reunião, José Manuel Oliveira, coordenador da Fectrans.

Patrões e Fectrans chegaram a acordo “histórico”. Governo tem a última palavra

A ANTRAM e a Fectrans vão agora prosseguir as negociações com o Ministério das Infraestruturas.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo disponível para acolher eventual reunião entre sindicatos e Antram

“Se as partes (sindicatos e Antram) quiserem reunir, a DGERT está naturalmente disponível, em qualquer ocasião, como aliás sempre esteve”, adiantou fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social à Lusa.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários