Pardal Henriques diz que requisição civil não vai ser respeitada. Governo garante que serviços mínimos estão a ser cumpridos

O porta-voz do sindicato dos motoristas avisa que os motoristas não vão recuar e desconvocar a greve que decorrerá por tempo indeterminado. Aos jornalistas, Pardal Henriques conta que os serviços mínimos não vão ser respeitados.

Mário Cruz/Lusa

O porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, garante que os camionistas não vão cumprir a requisição civil por uma questão de solidariedade para com os colegas que foram notificados pelas autoridades.

“Já há 11 pessoas por identificar e três outras de quem andam à procura como se fossem foragidas.”, contou aos jornalistas, esta quarta-feira, em Aveiras de Cima.

“Não consigo precisar os motoristas que são necessários para cumprir os serviços mínimos, porque os serviços mínimos foram decretados, uns a 100% outros a 75% e outros a 50%, e nunca nos foi informado sequer quais eram os motoristas que iriam fazer os serviços mínimos, porque desde segunda-feira, à primeira hora, estas pessoas têm recebido mensagens para realizar os serviços normais” sublinhou. “Mas a atitude de revolta e resistência na luta pelos seus direitos, assim como o espírito de solidariedade destes motoristas é muito superior à consciência dos problemas que podem vir a ter”, afirmou Pardal Henriques.

Questionado sobre quando é que os sindicatos poderão negociar com os patrões, Pardal Henriques respondeu que isso acontecerá quando a ANTRAM tiver a “humildade” para perceber que desta vez os motoristas não vão desconvocar a greve para se sentarem à mesa das negociações. “Não têm que ser outra vez os motoristas a desconvocar a greve. Somos nós que temos vindo a recuar, já o fizemos de várias formas”, insistiu.

As tensões entre motoristas e patrões subiram de tom neste terceiro dia de greve. Depois de os motoristas de matérias perigosas anunciarem que iriam deixar de cumprir os serviços mínimos e a requisição civil, fonte governamental garantiu à Lusa que estes estavam a ser cumpridos.

Motoristas de empresas de transporte conduziram entre as 06h00 e as 10h00 pelo menos 71 camiões-cisterna, apesar do aviso do porta-voz dos motoristas de matérias perigosas de que ninguém ia “fazer absolutamente nada hoje”, disse à Lusa fonte governamental.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, disse na terça-feira que 14 trabalhadores não cumpriram a requisição civil decretada pelo Governo na greve dos motoristas. O ministro informou também que a 11 desses trabalhadores “já foi feita a devida notificação”, referindo que primeiro é feita a “notificação do incumprimento e depois é que há a notificação de estarem a cometer um crime de desobediência”.

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumprem esta quarta-feira o terceiro dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

A greve foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objectivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ler mais
Recomendadas

Conservadores de Boris Johnson terão maioria no parlamento, conclui sondagem

O estudo de opinião da YouGov aponta para que o partido ganhe 359 dos 650 lugares no parlamento britânico – o melhor resultado em mais de 30 anos.

Brexit antes do Natal: Boris Johnson promete saída antes da data

O dirigente britânico apresentou o manifesto do Partido Conservador em Telford, West Midlands, um documento de 50 páginas que é lançado a cerca de três semanas das eleições antecipadas do Reino Unido, as “mais cruciais da história moderna”, segundo Johnson.

Corbyn promete “uma posição neutra” num futuro referendo do Brexit

Num programa da BBC, na sexta-feira, Corbyn defendeu “a unidade do país e das comunidades em vez de perpetuar um debate sobre a União Europeia e o Brexit”.
Comentários