Pardal Henriques reage à acusação da PGR: “Nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado”

O porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) afirma que em abril o Departamento de Investigação e Ação Penal “respondeu-nos que não existia queixa nenhuma”.

Mário Cruz/Lusa

Pedro Pardal Henriques reagiu esta quinta-feira, 15 de agosto, ao facto de estar a ser acusado de burla por parte da Procuradoria-Geral da da República (PGR). “Nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado”, afirmou aos jornalistas à margem da greve dos motoristas de matérias perigosas.

“Essa notícia já era conhecida desde abril. Um órgão de comunicação social veiculou que existia uma hipotética queixa contra mim, sobre uma hipotética burla que nunca aconteceu, pelo menos da minha parte. O DIAP em abril respondeu-nos que não existia queixa nenhuma. Ontem vieram os órgão de comunicação social adiantar que já existe uma queixa confirmada pela PGR”, referiu o porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

Pedro Pardal Henriques diz que ainda não foi notificado e considera “impressionante como é que os órgãos de comunicação social sabem de uma queixa ainda antes de ter sido notificado”, acrescentando que alguém está a mentir. “Ou o DIAP estava a mentir ou a PGR agora está a mentir, ou os órgãos de comunicação social estão a mentir, ou uma quarta hipótese que é existir uma campanha montada para tentar desviar a atenção das pessoas para outras coisas que não têm nada a ver com o problema dos motoristas”.

Já sobre a greve dos motoristas Pedro Pardal Henrique salienta que “vamos continuar esta nossa guerra e lutar até ao fim. Estou completamente tranquilo, nunca fiz nenhuma burla e aguardo para ser notificado. Continuaremos a lutar por esta causa que é justa e legítima”.

Relacionadas
pedro-pardal-henriques

Pardal Henriques é alvo de inquérito judicial, confirma PGR

“Confirma-se a existência de um inquérito, o qual se encontra em investigação no DIAP de Lisboa”, diz a PGR numa resposta escrita à agência Lusa sobre a existência de uma investigação a Pardal Henriques.
Recomendadas

Juíza Dulce Neto eleita para liderar um Supremo Tribunal. É a primeira mulher a chegar ao cargo

Dulce Neto era a única candidata mas foi escolhida por maioria, fazendo assim história no sistema judicial português. Marcelo Rebelo de Sousa já felicitou a juíza.

Rui Pinto obteve identificação completa de todos os magistrados do MP, diz acusação

Hacker acedeu a listagem com nome completo, contactos telefónicos e e-mails de mais de 1.600 magistrados do Ministério Público. É acusado de 147 crimes como extorsão na forma tentada, acesso ilegítimo, sabotagem informática e violação de correspondência.

Golas antifumo: Ex-adjunto de José Artur Neves é o terceiro arguido do processo

Francisco Ferreira foi constituído arguido neste processo a par do ex-secretário de Estado da Proteção Civil e do presidente da Proteção Civil.
Comentários