Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Parlamento aprovou a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

Cristina Bernardo

O Parlamento aprovou hoje a proposta bloquista de alteração ao Orçamento do Estado que anula a transferência de 476 milhões de euros do Fundo da Resolução destinada ao Novo Banco, com votos favoráveis do PSD, BE, PCP e PAN.

Foi já na vigésima quinta hora, que a proposta do BE que anula a autorização de novas transferências foi aprovada.

O texto foi viabilizado apesar dos votos contra do PS, Chega e Iniciativa Liberal.

O Fundo de Resolução previa injetar, de acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2021, mais 476,6 milhões de euros no Novo Banco, uma verba que, a concretizar-se, teria um impacto negativo no défice público de cerca de 0,2% do PIB.

Esta medida deixa o Novo Banco numa situação muito complicada para cumprir os compromissos que o Estado assumiu com a Comissão Europeia.

O banco liderado por António Ramalho precisa de 476 milhões e a banca ia emprestar 275 milhões de euros desse montante. Com esta medida do bloco o Fundo de Resolução não pode injetar nenhum dinheiro no Novo Banco em 2021 por conta das perdas de 2020, apesar do mecanismo de capitalização contingente.

Ler mais
Recomendadas

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.

Goldman Sachs e Bank of America surpreendem nos lucros em plena pandemia

Os maiores bancos dos Estados Unidos resistiram à recessão trazida pela pandemia do coronavírus, mas não ficaram imunes às baixas taxas de juro que a crise gerou. O Goldman Sachs teve a melhor receita de ‘trading’ de ações em 10 anos o que compensou a atividade bancária.
Comentários