Parlamento chumba fim da prospeção e produção de petróleo e gás em Portugal

Os projetos de resolução apresentados pelo Bloco de Esquerda, PCP e PEV foram chumbadas com os votos contra do PS, apesar de alguns deputados socialistas se terem manifestado a favor do fim da pesquisa e exploração de hidrocarbonetos na Batalha e Pombal.

A Assembleia da República chumbou esta sexta-feira o fim da prospeção e produção de petróleo e gás em Portugal. Os projetos de resolução apresentados pelo Bloco de Esquerda (BE), o Partido Comunista (PCP), o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) foram chumbadas com os votos contra do Partido Socialista (PS), apesar de alguns deputados socialistas se terem manifestado a favor do fim da prospeção de hidrocarbonetos.

O projeto de resolução do BE exigia ao Governo o cancelamento dos contratos de prospeção e produção de hidrocarbonetos em Portugal, levantando questões ambientais e sociais para o cancelamento bem como os custos “irrisórios para o Estado do ponto de vista económico”. A iniciativa foi, no entanto, chumbada com os votos contra do PS, Partido Social Democrata (PSD), CDS-PP e Chega e a abstenção do Iniciativa Liberal.

Também o Partido Comunista (PCP) pedia, no projeto de resolução chumbado, “o cancelamento dos contratos de exploração de gás e/ou petróleo existentes ou previstos para a região de Batalha (Alcobaça) e Pombal“, por considerarem que estes “visam os interesses das multinacionais, privatizam e alienam recursos nacionais e ameaçam a qualidade de vida das populações e o meio ambiente”.

“Enquanto não existir uma entidade pública com capacidade, meios humanos e técnicos, para realizar campanhas de prospeção e pesquisa sem para isso estar dependente das multinacionais mineiras, defendemos a reavaliação das atuais concessões e a suspensão de todos os lançamentos de novas licenças de prospeção e pesquisa”, defendia o PCP. O projeto foi chumbado com os votos contra do PS, PSD, CDS-PP, Chega e a abstenção do Iniciativa Liberal.

Apenas o projeto de resolução do PEV conseguiu votos favoráveis entre alguns deputados do PS (Maria Begonha, Joana Sá Pereira, Miguel Matos, Filipe Pacheco, Olavo Câmara), mas acabou por ser chumbado com os votos contra dos restantes deputados socialistas e do CDS-PP e a abstenção do PSD, Chega e Iniciativa Liberal.

A iniciativa pedia o fim da pesquisa e exploração de hidrocarbonetos na Batalha e Pombal, defendendo que “Portugal não ganha nada em associar-se a riscos decorrentes de uma atividade que tem fortes impactos no ambiente e na segurança do território e, consequentemente, das populações e das atividades económicas”.

Atualmente, apenas as áreas da Batalha e Pombal (ambas no distrito de Leiria) têm contratos de prospeção e produção de hidrocarbonetos ativos e a decorrer, numa faixa litoral que se estende das Caldas da Rainha (Leiria) a Soure (Coimbra), a cargo da empresa Australis Oil&Gas.

A empresa australiana recebeu do Governo português, em 2015, as concessões da Batalha e de Pombal e, desde então, já investiu mais de 1,2 milhões de euros em estudos e pesquisa para perceber o potencial de exploração de petróleo na região. A Australis Oil&Gas pretende iniciar as primeiras perfurações na freguesia de Bajouca, em Leiria, e na freguesia de Aljubarrota, no concelho de Alcobaça.

Em dezembro, a autarquia de Leiria aprovou, por unanimidade, uma moção contra a prospeção e exploração de gás na Bajouca, considerando que os dois contratos em vigor “estão em contradição com a política energética que Portugal tem vindo a prosseguir na última década”.

Ler mais
Recomendadas
Isabel Moreira na Assembleia

Isabel Moreira deixa discussão em plenário de projeto de revisão constitucional do Chega nas mãos de Ferro Rodrigues

Parecer pedido à deputada socialista pelo presidente da Assembleia da República indica que a Comissão de Assuntos Constitucionais não é competente para travar ida a plenário do projeto do Chega que prevê a castração química ou física de pedófilos. Apesar de Isabel Moreira deixar claro que lhe reconhece “normas que violam grosseiramente limites materiais de revisão, na medida em que descaracterizariam, se aprovadas, o princípio da dignidade da pessoa humana”.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.
Comentários