Parlamento Europeu dá luz verde para o fim das palhinhas, loiça descartável e cotonetes

A guerra aos plásticos continua. Foi hoje aprovado o fim das palhinhas, loiça descartável e cotonetes. Nova lei entra em vigor em 2021.

O Parlamento Europeu aprovou, esta quarta-feira, a nova lei comunitária que proibirá a venda de produtos de plástico de utilização única em toda a União Europeia,.

Segundo o comunicado divulgado esta tarde, as novas regras entram em vigor em 2021 e foram acordadas entre os Estados-membros em Estrasburgo com 560 votos a favor, 35 contra e 28 abstenções.

Com a entrada desta lei, ficam proibidos certos produtos de plástico descartáveis para os quais existem alternativas, como pratos, talheres, cotonetes, palhinhas, agitadores para bebidas, varas para balões, produtos de plásticos oxodegradáveis e recipientes para alimentos e bebidas de poliestireno expandido.

Na nota apresentada pela Comissão Europeia, o vice-presidente Frans Timmermans, responsável pelo desenvolvimento sustentável, aplaudiu a medida dizendo que “hoje, demos um passo importante para reduzir a poluição poluidora e plástica nos nossos oceanos e mares. Nós conseguimos fazer isso. A Europa está estabelecer padrões novos e ambiciosos, pavimentando o caminho para o resto do mundo”, conclui.

A diretiva estabelece também que os Estados-membros tomem medidas para alcançar uma redução quantitativa de outros produtos de plástico de utilização única, como recipientes para alimentos e copos de plástico para bebidas, incluindo as respetivas coberturas e tampas.

Os Estados-membros terão de assegurar a recolha seletiva de pelo menos 90% das garrafas de plástico até 2029, estando prevista uma meta vinculativa de, pelo menos, 25% de plástico reciclado para as garrafas a partir de 2025, e em 2030 todas as garrafas de plástico terão de respeitar um objetivo de, pelo menos, 30% de material reciclado.

O vice-presidente Jyrki Katainen , responsável por empregos, crescimento, investimento e competitividade, acrescentou: ” Uma vez implementadas, as novas regras não apenas impedirão a poluição pelo is plásticos, mas também tornarão a União Europeia líder mundial numa política plástica mais sustentável. O Parlamento desempenhou um papel essencial no lançamento dos alicerces para esta transformação e na criação de uma oportunidade para a indústria inovar, impulsionando assim a nossa economia circular. ”

Os toalhetes húmidos (toalhetes pré-humedecidos para higiene pessoal e uso doméstico) terão de ostentar uma marcação na sua embalagem para informar os consumidores da presença de plástico e dos danos causados ao ambiente se não forem deitados devidamente no lixo, o mesmo sucedendo em relação aos produtos do tabaco que dispõem de filtros que contêm plástico. Os produtos de plástico descartáveis e as artes de pesca abrangidos pela diretiva representam cerca de 70% do lixo marítimo.

Por ocasião do acordo alcançado em dezembro passado entre Parlamento e Conselho em torno da proposta de lei apresentada em maio de 2018 pela Comissão Europeia, a associação ambientalista Zero considerou que o compromisso fica aquém do desejável, embora reconhecendo que é um esforço para reduzir a poluição com plástico.

Recomendadas

Ryanair ajuda em 250 mil euros projeto de replantação da Serra de Monchique

Os incêndios queimaram mais de 28 mil hectares na Serra de Monchique, em 2018. Até ao momento, o Renature Monchique já plantou 137 mil árvores autóctones e apoiou cerca 41 proprietários e as famílias afetadas pela catástrofe.

Governo aprova restrições para detergentes e cosméticos com microplásticos

A 24 de novembro do ano passado a Assembleia da República aprovou uma proposta, apresentada pelo PAN, de alteração do Orçamento do Estado para este ano, para proibir a comercialização daqueles produtos que contenham microplásticos.

Europeus pagam energia mais cara porque Comissão não proíbe lâmpadas fluorescentes, acusam ambientalistas

Cidadãos e empresas da União Europeia (UE) estão a pagar contas mais elevadas de energia porque a Comissão Europeia mantém no mercado as lâmpadas fluorescentes que devia ter proibido em 2018, acusam organizações ambientalistas internacionais.
Comentários