Parlamento Europeu rejeita comissária europeia francesa

Recusa de Sylvie Goulard em apresentar a demissão do cargo de comissária europeia caso seja acusada no processo dos empregos fictícios de assistentes do seu partido, o MoDem, levou o PE a rejeitar a sua nomeação.

REUTERS/Vincent Kessler

O Parlamento Europeu rejeitou hoje a nomeação de Sylvie Goulard como comissária europeia do Mercado Interno no futuro executivo de Ursula Von der Leyen, revelaram à Lusa fontes parlamentares.

O parecer negativo dos eurodeputados das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria – 82 votaram contra a nomeação da francesa, 29 a favor e um absteve-se – prende-se com a recusa de Sylvie Goulard em apresentar a demissão do cargo de comissária europeia caso seja acusada no processo dos empregos fictícios de assistentes do seu partido, o MoDem, no PE, o mesmo que a levou a demitir-se do Governo francês em junho de 2017, apenas um mês após ter assumido a pasta da Defesa.

Depois ter sido ouvida novamente esta manhã, a candidata francesa não conseguiu reunir uma maioria de apoio de 2/3 entre os coordenadores das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria, responsáveis pelo seu parecer, pelo que foi convocada uma reunião geral das duas comissões para decidir, numa votação por maioria simples, se Goulard possuía ou não as competências necessárias para integrar o colégio de comissários e para desempenhar as funções específicas que lhes foram confiadas.

Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Boris Johnson ameaça recuar na proposta do Brexit e convocar eleições antecipadas em caso de chumbo

Frustrado com o impasse interminável do Brexit, o governo britânico ameaçou que, caso a proposta seja chumbada mais uma vez, que retirará a moção relativa ao Brexit e avançará para eleições antecipadas previstas para antes do Natal. “De forma alguma vou permitir meses mais disto”, afirmou Boris Johnson.

Instagram elimina fotografias de um cozido galego por “violência gráfica”

Tudo aconteceu após um comensal galego postar fotos de uma refeição para celebrar o “primeiro cozido da temporada” durante o almoço do domingo. A meio da tarde, o gastrónomo teve uma surpresa por parte da rede social.
Comentários