Parlamento pede ao Governo que reavalie obras de expansão do Porto de Leixões

Em causa está a construção do novo terminal de contentores para fundos de 14 metros no porto de Leixões, bem como a reconversão do terminal sul e o prolongamento de 300 metros no quebra-mar exterior. PS votou contra todas as propostas, à exceção da proposta comunista.

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira os projetos de resolução que recomendam ao Governo que reavalie as obras de expansão do Porto de Leixões. A votos foram quatro iniciativas legislativas, que receberam os votos contra do Partido Socialista (PS), à exceção da iniciativa apresentada pelos comunistas.

O projeto de resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE) pede ao Governo a suspensão do processo de adjudicação das obras de expansão do Porto de Leixões, incluindo o prolongamento do quebra-mar exterior. Em causa está a construção do novo terminal de contentores para fundos de 14 metros, a reconversão do terminal sul, o aumento da eficiência do terminal de granéis sólidos e alimentares e as obras na plataforma multimodal e logística.

Além disso, as obras de expansão do Porto de Leixões preveem também o prolongamento de 300 metros no quebra-mar exterior – que permanece inalterado desde 1940 –, para reforçar a segurança na entrada da barra, melhorar a operacionalidade e tornar a acessibilidade mais segura.

O Partido Comunista (PCP) recomenda também ao Governo, no seu projeto de resolução, que garantisse a aplicação de todas as medidas de redução de impacte ambiental nas obras de prolongamento do quebra mar de Leixões e do Novo Terminal de Contentores, concordando que “não deve haver lugar a nenhuma adjudicação” enquanto não for avaliado o impacte ambiental de todos os investimentos previstos.

Nesta proposta, o PCP absteve-se, juntamente com o BE e a deputada não-inscrita Cristina Rodrigues.

O projeto de resolução do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) recomenda também ao Executivo socialista “a intensificação e credibilização da avaliação de impacte ambiental das obras integradas no projeto de acessibilidades marítimas ao porto de Leixões”, considerando que a ausência de um estudo sobre o impacte ambiental das obras é “inadmissível” e “perverte toda a lógica da utilidade de instrumentos relevantes da política ambiental”.

Já o projeto de resolução do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) recomenda apenas ao Governo que reavalie a obra de prolongamento do quebra-mar exterior do Porto de Leixões.

“Os efeitos negativos na economia local, nomeadamente nas empresas e escolas de surf e em todos aqueles que direta ou indiretamente beneficiam destas atividades, as consequências ambientais dessa obra, não poderão ser relegados para segundo plano e o Governo não deverá demitir-se da sua responsabilidade devendo repensar a sua posição sobre esta obra”, defendia o PAN, no seu projeto de resolução.

Várias associações ambientalistas e setoriais têm vindo a alertar para os impactes negativos as obras no Porto de Leixões, dizendo que poderão provocar alterações ao nível da qualidade da água da praia e consequências na prática balnear e desportos aquáticos e podem originar um excesso de contentorização no terminal de contentores sul e ter impactos negativos ao nível do aumento de carga transitada sobre a mobilidade e a rede viária do concelho.

Ler mais
Relacionadas

BE e PCP contestam obras de expansão do Porto de Leixões devido ao impacte ambiental

Os bloquistas e comunistas exigem um estudo do impacte ambiental às obras previstas e pedem a suspensão do processo de adjudicação da obra de prolongamento do Porto de Leixões até que o estudo esteja concluído.

Portos do Continente com quebra de 11,4% nas mercadorias movimentadas até final de julho

Recuo de quase seis milhões de toneladas deve-se à ausência de importação de carvão em função da paragem quase total das centrais de Sines e do Pego.

Portos nacionais movimentaram 85 milhões de toneladas em 2019, uma quebra de 5,6%

O último relatório divulgado pelo regulador AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, referente ao ano passado, a que o Jornal Económico teve acesso, inclui já os dados dos portos da Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.
Recomendadas

Marcelo quer Natal que permita às famílias “o desejado reencontro sem abrir a porta ao descontrolo”

Presidente da República explicou motivos para a renovação do estado de emergência numa comunicação televisiva aos portugueses.

Costa nega alinhamento com Hungria e Polónia. “Quem não cumpre valores europeus não pode fazer parte da UE”

O líder do Executivo socialista desmente estar alinhado com a Hungria e Polónia contra o mecanismo do Estado de direito no acesso aos fundos comunitários. Diz que cumprimento dos valores europeus é essencial e defende que os países que não os cumprem “não pode fazer parte da União Europeia”.

Presidente da República confere à SEDES o título de membro honorário da Ordem de Mérito

No encerramento da cerimónia comemorativa dos 50 anos da SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, realizada este sexta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, conferiu a esta associação o título de membro honorário da Ordem de Mérito em nome de Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa não deixou de invocar “Francisco Sá Carneiro e António Patrício Gouveia, os dois desaparecidos tragicamente há 40 anos”.
Comentários