Parlamento quer ouvir diretora-adjunta de informação e diretor de programas da RTP sobre reportagem do lítio

Em causa está a transmissão da reportagem que veio a expor irregularidades no processo de concessão da exploração de lítio em Montalegre, que deveria ter ido para o ar em 13 de setembro, mas por decisão da direção de informação só foi transmitido no dia 11 de outubro – a semana seguinte às eleições.

Os deputados da comissão de Cultura e da Comunicação decidiram esta quarta-feira, 11 de dezembro, por unanimidade, chamar ao Parlamento a diretora-adjunta de informação da RTP, Cândida Pinto, o diretor de programas da RTP, José Fragoso, e a comissão de trabalhadores da estação de radiotelevisão pública, para reunir mais informação sobre a decisão do canal em adiar a emissão do programa Sexta às 9.

Em causa está a transmissão da reportagem que veio a expor irregularidades no processo de concessão da exploração de lítio em Montalegre, que deveria ter ido para o ar em 13 de setembro, mas por decisão da direção de informação só foi transmitido no dia 11 de outubro – na semana seguinte às eleições legislativas.

O requerimento para chamar Cândida Pinto e José Fragoso a São Bento foi apresentado pelo grupo parlamentar do PSD.

O coordenador dos sociais-democratas nesta comissão, Paulo Rios de Oliveira, disse que o pedido surge pelas “respostas díspares” e em “consequência e coerência” com a informação obtida na audição ao presidente da RTP, Gonçalo Reis, bem como a diretora de informação da estação, Maria Flor Pedroso, e a jornalista e coordenadora do “Sexta às 9”, Sandra Felgueiras, no dia 4 de dezembro.

Reportagem sobre lítio divide direção de informação da RTP e Sandra Felgueiras

Na primeira audição sobre o polémico adiamento da emissão do Sexta às 9, tornou-se clara e visível uma divergência de posições entre a direção de informação do canal público e a coordenação do “Sexta às 9”, por causa dos motivos que levaram à suspensão do programa em plena campanha eleitoral. Contudo, Gonçalo Reis garantiu manter a sua confiança na atual direção de informação da RTP e na jornalista Sandra Felgueiras, coordenadora do programa em causa.

No Parlamento, Sandra Felgueiras deu a entender que o programa não foi transmitido porque a direção de informação da RTP não quis emitir o programa incómodo para o Governo em época eleitoral. “Se me perguntam diretamente se era possível fazer o programa Sexta às 9 durante o mês de setembro, a minha resposta é ‘sim, era possível com o lítio'”, disse então Sandra Felgueiras.

A jornalista da estação pública explicou que na direção de informação da RTP comunica com Maria Flor Pedroso (diretora) e Cândida Pinto (diretora-adjunta), reportando semanalmente à diretora-adjunta “tudo” o que faz e o que tem “em linha de vista”. “Eu comuniquei naturalmente à Cândida Pinto em julho que este [o lítio] seria o tema de andamento e de prossecução. Objetivamente, a reportagem que iria ser emitida dia 13 de setembro era a reportagem do lítio, era isto que estava previsto”, detalhou.

“Foi-me dito que iria haver ajustes em função da campanha eleitoral. O que eu reparo e que vejo é que de facto os ajustes que houve foi apenas no dia 06 [de setembro]. No dia 13 não houve nada, no dia 28 houve um programa Eu, cidadão, curiosamente feito por Cândida Pinto, dia 26 não houve nenhum especial sobre Tancos apesar de o programa Sexta às 9 ter sido o amplo difusor de um caso que o Ministério Público acabou por confirmar em acusação pública”, detalhou a jornalista.

Depois de Sandra Felgueiras, os deputados ouviram a diretora de informação da RTP, Maria Flor Pedroso, que rejeitou a ideia de suspensão ou de qualquer interferência do Governo e justificou a alteração na programação da RTP com a programação eleitoral e, também, por não ter sido dito que havia notícia.

“Eu trabalho em jornalismo há 26 anos. Isto são as chamadas pressões. O jornalismo político é um jornalismo em que nós somos pressionados constantemente por fontes várias. Interferência? Seria coisa que eu jamais toleraria. Eu e a equipa que dirijo”, disse Maria Flor Pedroso.

Reportagem sobre lítio divide direção de informação da RTP e Sandra Felgueiras

Ler mais
Relacionadas

Parlamento decide hoje se vai ouvir diretora-adjunta de informação e diretor de programas da RTP sobre reportagem do lítio

Por entender ser necessários mais esclarecimentos, o grupo parlamentar do PSD submete esta quarta-feira para apreciação e votação o requerimento para “audição urgente” de mais funcionários da direção da RTP, bem como da comissão de trabalhadores.

Reportagem sobre lítio divide direção de informação da RTP e Sandra Felgueiras

Parlamento ouviu presidente e direção de informação da RTP, bem como a jornalista Sandra Felgueiras, para saber o porquê de uma reportagem do “Sexta às 9” ter sido adiada para depois das eleições legislativas. O programa, que veio a expor irregularidades no processo de concessão da exploração de lítio em Montalegre, deveria ter ido para o ar em 13 de setembro, mas por decisão da direção de informação só foi transmitido no dia 11 de outubro – a semana seguinte às eleições.

Maria Flor Pedroso: “Não chegou a informação de que havia notícia sobre o lítio”

A diretora de informação da RTP, Maria Flor Pedroso, disse esta terça-feira que “não chegou a informação de que havia notícia” sobre o lítio à direção da estação, referindo-se ao adiamento do programa ‘Sexta às 9’.

Parlamento vai ouvir jornalista e presidente da RTP sobre adiamento do programa ‘Sexta às 9’

Em causa está o adiamento da emissão de um episódio do ‘Sexta às 9’, que veio expor irregularidades no processo de concessão da exploração de lítio em Montalegre, para depois das eleições legislativas.
Recomendadas

Prémios ‘Grandes Escolhas’ elegeram os melhores vinhos nacionais de 2019

A entrega destes 30 prémios decorreu, num jantar em Sangalhos, Anadia, numa cerimónia que pretendeu reconhecer os grandes protagonistas do mundo da enologia e da gastronomia nacionais.

SunEnergy instala 345 painéis solares nos Armazéns Reis de Aveiro

Este contrato de autoconsumo com os Armazéns Reis, empresa que se dedica ao comércio e distribuição de materiais de construção, ‘bricolage’, decoração e jardim, vai permitir uma poupança de 15 mil euros em energia, todos os anos.

Secil com expetativas positivas para 2020 no setor do cimento

De acordo com as estatísticas, o mercado de cimentos em Portugal em 2019 terá crescido cerca de 15% comparativamente ao período homólogo.
Comentários