PremiumPartidos preparam ‘rentrée’ com menos ajuntamentos e mais foco no online

A pandemia de Covid-19 obrigou ao cancelamento das habituais ‘rentrées’ políticas, à exceção da Festa do Avante do PCP. As agendas ainda não estão fechadas, mas aposta nas novas tecnologias deverá ganhar peso, através das sessões virtuais.

As férias parlamentares estão à porta, mas ainda há muito a preparar para o regresso ao combate político em setembro. A pandemia de Covid-19 está a obrigar os partidos a reinventarem as habituais rentrées e encontrarem novas soluções que garantam a segurança e proteção de todos os participantes. Ao que o Jornal Económico (JE) apurou, a aposta em sessões virtuais ou um modelo híbrido (presencial e virtual) deverá marcar o regresso ao combate político, mas o plano final vai depender da evolução da pandemia.

No PS, “ainda não está definido” o plano para o regresso à atividade política, mas fonte oficial do partido recorda ao JE que “os congressos federativos estão marcados para 12 e 13 de setembro” e são, por enquanto, o único evento programado para o arranque oficial da atividade socialista depois das férias. Para a realização desses congressos, serão respeitadas “as condições de distanciamento social, proteção individual com máscara, higienização dos espaços eleitorais e a não realização de ajuntamentos de mais de 10 pessoas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumReabertura do aeroporto tem balanço positivo de Governo e hoteleiros

Governo tem apostado no capital da confiança no destino. ACIF diz que hoteleiros consideram operação no aeroporto “célere e eficaz”.

PremiumBi4all cria ‘app’ para controlar ajuntamentos nas praias

A consultora tecnológica está a trabalhar com a autarquia de Sines numa nova solução. “É Inteligência Artificial, sem entrar na privacidade das pessoas”, garante o CEO da empresa, José Oliveira.

Premium“Miguel Gouveia será, obviamente, candidato à Câmara do Funchal”

Novo presidente do PS Madeira quer modernizar o partido e melhorar a comunição interna e externa. Nas autárquicas o objetivo é aumentar a representação e admite coligação pré-eleitoral no Funchal.
Comentários