Partidos voltam a colocar fim das portagens nas ex-Scut na agenda

O Bloco de Esquerda (BE), Partido Comunista (PCP) e Chega apresentaram projetos de resolução que recomendam ao Governo que acabe com a cobrança, notando que, na maioria dos casos, “não há alternativa válidas” aos traçados com portagens e que tal impede a coesão territorial.

O fim das portagens nas ex-Scut vai voltar a ser discutido na Assembleia da República. O Bloco de Esquerda (BE), Partido Comunista (PCP) e Chega apresentaram projetos de resolução que recomendam ao Governo que acabe com a cobrança, notando que, na maioria dos casos, “não há alternativa válidas” aos traçados com portagens e que tal impede a coesão territorial.

O PCP foi o primeiro partido a avançar com a medida, ao recomendar ao Executivo de António Costa o fim das portagens na A25 (Aveiro-Vilar Formoso), A24 (Viseu-Vila Verde da Raia), A23 (Torres Novas-Guarda), A28 (Porto-Caminha), A41 (Matosinhos-Alfena), A42 (Alfena-Felgueiras), A29 (Angeja-Vilar de Andorinho) e na Via do Infante (Bensafrim-Espanha).

Os comunistas consideram que a introdução de portagens significou “um retrocesso e teve impactos gravíssimos na economia e nas condições de vida das populações”. “Este retrocesso económico não deixou de ter consequências muito graves no emprego e no agravamento da situação social em muitos dos concelhos abrangidos por estas vias rápidas”, consideram.

“O aparelho produtivo das zonas geográficas servidas pelas referidas ex-SCUT, que já vivia situações de grande dificuldade, viu agravadas as suas condições de funcionamento, dado o acréscimo de custos que tiveram de suportar”, defende o PCP, num dos projetos de resolução apresentado no Parlamento.

Também o BE defende o fim das portagens, mas não vai tão longe como o PCP. Os bloquistas propõem a abolição das portagens na A25, A24 e A23, por não haver “uma alternativa viável e que consiga assegurar a segurança dos utilizadores”.

“A alternativa defendida pelo Bloco de Esquerda assenta nos princípios da solidariedade e da defesa da coesão social, da promoção da melhoria das acessibilidades territoriais, como instrumento essencial de uma estratégia de desenvolvimento sustentável e na consagração do direito à mobilidade como estruturante de uma democracia moderna”, lê-se nos projetos de resolução do BE.

O deputado único do Chega, André Ventura, apresentou também um projeto de resolução que visa o fim da cobrança de portagens na Via do Infante e na A28. “Os portugueses pagam mais do que o suficiente de impostos, directos e indirectos, para poderem circular, sem pagar, em estradas para as quais não existem, sequer, alternativas minimamente praticáveis”, considera.

Os projetos de resolução apresentados aguardam agora a reunião da conferência de líderes para que possam ser discutidos e votados em plenário.

Na legislatura anterior, a proposta de abolir as portagens nas ex-Scut foi chumbada com os votos do PS, do PSD e do CDS-PP. A introdução de portagens em todas as concessões Scut foi aprovada em 2010, durante o Governo socialista de José Sócrates, enquanto as portagens na Via do Infante foram concretizadas, em 2011, durante o Governo do PSD e CDS-PP, liderado por Pedro Passos Coelho.

Ler mais
Recomendadas

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.

PS recomenda ao Governo tarifa social de acesso à Internet

O Grupo Parlamentar do PS pediu ao Governo para implementar a tarifa social de acesso a serviços de Internet prevista no Plano de Ação para a Transição Digital. Em tempos da pandemia da Covid-19, Socialistas consideram “imperioso” criar esta tarifa social que, à semelhança da tarifa social de eletricidade, venha a reduzir os encargos financeiros dos consumidores mais vulneráveis.
Comentários