Segurança Rodoviária recomenda que passadeiras LGBT sejam removidas

“Uma vez que a ‘marca’ aplicada em Campolide se encontra em desconformidade com o Regulamento de Sinalização do Trânsito, não produzindo assim qualquer efeito jurídico, nem garantindo condições de segurança, a ANSR recomendou à entidade gestora da via a sua remoção”, informa o comunicado

© DR

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) recomendou à Junta de Freguesia de Campolide que remova as duas passadeiras com as cores do arco-íris que foram pintadas na noite de domingo para segunda-feira.

Em comunicado a ANSR considera que ”nos termos do Regulamento de Sinalização do Trânsito (RST), os sinais de trânsito e as marcas rodoviárias devem obedecer às características definidas no que respeita a formas, cores, inscrições, símbolos e dimensões, bem como aos materiais a utilizar e às regras de colocação”.

“Uma vez que a ‘marca’ aplicada em Campolide se encontra em desconformidade com o RST [Regulamento de Sinalização do Trânsito], não produzindo assim qualquer efeito jurídico, nem garantindo condições de segurança, a ANSR recomendou à entidade gestora da via a sua remoção”, informou hoje à agência Lusa a entidade responsável pela segurança rodoviária.

A recomendação endereçada à Câmara de Lisboa surge após a Junta de Freguesia de Campolide ter pintado, na madrugada de segunda-feira, duas passadeiras de peões pintadas com as cores da causa LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgéneros e Intersexo), anunciando a intenção de pintar mais três. A iniciativa pretende assinalar o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifopia, na sexta-feira, 17 de maio.

Relacionadas

Afinal, Lisboa já tem uma passadeira LGBT. Autarcas socialistas interpretam a lei de forma diferente

A proposta que foi inicialmente apresentada pelo CDS para as passadeiras de Arroios acabou por ser aplicada em Campolide. O presidente da junta local (do PS) nega qualquer ilegalidade no ato, a razão usada pela autarca do PS em Arroios para chumbar a proposta do CDS. Vereador do PSD já criticou a iniciativa: “A comunidade LGBT merece mais que este folclore e o símbolo da esperança não é para ser pisado”.

Autor de proposta de “passadeira arco-íris” sai do CDS-PP

Vítor Teles anunciou desfiliação após comunicado de Assunção Cristas e do presidente da concelhia de Lisboa que se demarcavam da iniciativa destinada a assinalar o Dia Mundial de Luta contra a Homofobia e Transfobia.

Passadeiras arco-íris para homenagear comunidade LGBTI já não avançam em Lisboa. Razão? Medida é ilegal

A presidente da junta de freguesia de Arroios disse que a medida aprovada “é ilegal”, pois as passadeiras têm de ser brancas. A medida foi aprovada de forma unânime na assembleia da junta de freguesia de Arroios.
Recomendadas

Debate Costa – Rio visto por 2,66 milhões de espetadores

O debate entre Rui Rio e António Costa, transmitido na segunda-feira em simultâneo pela SIC, TVI e RTP1 foi visto por 2,66 milhões de espetadores, segundo dados da GFK/CAEM hoje divulgados.

Freitas do Amaral internado nos cuidados intermédios em hospital de Cascais

O antigo presidente e fundador do CDS Diogo Freitas do Amaral encontra-se desde segunda-feira internado nos cuidados intermédios no Hospital da CUF em Cascais, transmitiu hoje à agência Lusa fonte da sua família.

Eleições: Costa adverte que Portugal tem de evitar impasse político espanhol

António Costa respondia a uma questão que lhe foi formulada por um jornalista da imprensa estrangeira sobre a situação da social-democracia na Europa e sobre se acredita que uma “Geringonça” – um acordo político de Governo à esquerda – ainda será possível acontecer em Espanha.
Comentários