Pássaros do Montijo “não são estúpidos” e podem adaptar-se ao novo aeroporto, defende secretário de Estado

“Não há aeroportos sem impactos”, escreve Alberto Souto de Miranda, assumindo que “os caranguejo podem ser lentos, mas não estão em extinção. É um impacto não mitigável”.

A construção do aeroporto do Montijo tem gerado alguma controvérsia, colocando o Governo e os ambientalistas frente a frente. O secretário de Estado adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda, apontou, num artigo de opinião no jornal ‘Público’, os sete elementos pelos quais o Montijo deve ser considerado como “uma opção de futuro”, sendo que os pássaros da zona “não são estúpidos e é provável que se adaptem”.

O estudo de impacto ambiental realizado para saber se seria seguro fazer o segundo aeroporto na zona sul do Tejo apontou que as aves estariam em risco, embora tenha oferecido medidas alternativas para que estas não fossem tão afetadas pelos motores das aeronaves em circulação.

No sexto ponto da sua opinião, Alberto Souto de Miranda defende que foram confrontados com o risco de desaparecimento dos caranguejos, uma vez que estes circulam de forma lenta. “Um dos riscos do projeto é o da mortandade provável dos ditos que, porque lentos, talvez não consigam fugir a tempo das máquinas…”, lê-se na coluna de opinião do secretário de Estado, acrescentando que aqui “é o princípio da precaução levado ao risível”.

“Mais sério é o bird strike, risco conhecido em vários aeroportos e com medidas mitigadoras em todos. Não há aeroportos sem impactos”, escreve Alberto Souto de Miranda, assumindo que “os caranguejo podem ser lentos, mas não estão em extinção. É um impacto não mitigável”.

Escrevendo ainda sobre as aves afetadas pela construção naquele local, o secretário de Estado escreve que “os pássaros não são estúpidos e é provável que se adaptem”, adiantando que estes devem encontrar outras rotas migratórias como alternativa ao Estuário do Tejo.

O artigo de opinião surge no mesmo dia em que a associação para a defesa das aves dos Países Baixos avançou com uma petição em defesa do maçarico-de-bico-direito, avança a rádio TSF. Esta ave é um símbolo dos Países Baixos e segundo a associação poderá estar em risco por causa da construção do aeroporto do Montijo. Os maçaricos-de-bico-direito viajam entre África e os Países Baixos com paragem para descanso no estuário do Tejo.

Alverca “é uma obsessão”

No início do texto, o secretário de Estado faz ainda referência ao “grupo de Alverca”, que pretende que o aeroporto seja instalada na zona que dá nome ao grupo, apontando que este mesmo grupo “tem prestado um péssimo serviço ao país” por causar “alarmismo e a ocultação dolosa de verdades técnicas”.

Alberto Souto de Miranda volta a sustentar que “Alverca não é opção. É uma obsessão”. “Confrange-me, sinceramente, até pela admiração que tenho por alguns dos oito subscritores, vê-los a emprestarem o prestígio do seu nome a uma opção flagrantemente falhada pelas mais elementares regras de projeto”, lê-se no texto escrito no ‘Público’.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários