Passe máximo de 40 euros arranca em abril: Conheça os novos passes da Grande Lisboa

Os habitantes dos 18 municípios da Grande Lisboa vão poder deslocar-se mensalmente na área metropolitana da capital por um valor máximo de 40 euros, a partir de 1 de abril. Os novos passes low cost começam a estar à venda a 26 de março.

Cristina Bernardo

Os novos passes da área metropolitana de Lisboa vão entrar em vigor em abril, e começam a estar à venda a partir de 26 de março. Os habitantes dos 18 municípios da Grande Lisboa vão poder deslocar-se mensalmente por um valor máximo de 40 euros.

Um exemplo das poupanças. Um passe da Fertagus entre Setúbal e Lisboa, incluindo Metro e Carris, custa 1933,8 euros por ano (161,15 euros por mês). Com o novo passe, o valor a pagar cai para os 40 euros mensais (480 euros por ano), menos 121,15 euros. No espaço de um ano, as poupanças atingem os 1.453 euros, com o teto máximo de 40 euros por mês.

Para quem se desloca entre Lisboa e Alcainça (na região de Mafra), o passe mensal (Mafrense mais metro de Lisboa e Carris) custa 138,50 euros (1.662 euros por ano). Com o novo passe de 40 euros por mês, as poupanças anuais atingem os 1.182 euros por ano.

Estes são os novos passes que estão à venda a partir de 26 de março que entram em  vigor a 1 de abril:

  • Navegante metropolitano – Custa 40 euros e tem uma validade mensal, isto é, começa no dia 1 e termina no último dia do mês. Quem usar este passe pode viajar de Setúbal até Mafra, por exemplo, sem qualquer tipo de limitação.

 

  • Navegante 12 – Esta é a versão júnior, e sem custos, do Navegante Metropolitano, permitindo que as crianças até 12 anos, inclusive, utilizem gratuitamente todos os serviços de transporte público de Lisboa, nos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa.

 

  • Navegante Metropolitano Lisboa (só disponível a partir de julho) – Este passe vai permitir que um agregado familiar, independentemente do número de elementos, pague um máximo de 80 euros por todos os passes da família, o equivalente ao valor máximo de dois passes Navegante Metropolitano. Este título só pode ser adquirido por agregados familiares que comprovem que vivem na área metropolitana de Lisboa.

 

  •  Navegante Municipal – Este passe custa 30 euros e dura do dia 1 ao final de cada mês. Vai ser válido para qualquer deslocação em todos os serviços de transporte público dentro de 1 dos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa.

 

  • Navegante Municipal Família (disponível a partir de julho) – Semelhante ao Navegante Municipal, mas vai servir para os membros do agregado familiar se deslocarem num determinado município. Vai ter um custo máximo de 60 euros, o valor máximo de dois passes Navegante Municipal, independentemente do número de elementos do agregado.
Ler mais
Relacionadas

Passe de transição em Lisboa vai custar 10 euros e durar sete dias

Segundo o documento, o passe terá a validade de sete dias, “a vigorar após o termo do título deslizante e a comercializar a partir do dia 08 de abril de 2019 e até ao final desse mês”.

Governo e municípios da Área Metropolitana de Lisboa assinam acordos para passe único

O Governo e os presidentes dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa assinam esta segunda-feira os contratos para a entrada em vigor, em abril, de um passe único nestes 18 concelhos.
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Dia da Propriedade Intelectual: Criei uma marca. O que posso fazer para a registar?

Os advogados do departamento de TMT & Propriedade Intelectual da sociedade CCA explicam o que fazer para registar uma marca. O primeiro passo? Verificar se preenche determinados requisitos para que o seu registo seja concedido. Comemora-se esta sexta-feira o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários