Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Cristina Bernardo

Na apresentação do primeiro Plano Metropolitano de Adaptação às Alterações Climáticas, Fernando Medina realizou um discurso perante os presentes e ainda falou aos jornalistas sobre o que esta meta de consciencialização representa para Lisboa e para a Área Metropolitana de Lisboa.

Esta é “uma mensagem de compromisso de quem tem a clara consciência clara do que vivemos”, esclareceu no início do discurso, sublinhando mais que uma vez que “as alterações climáticas são uma matéria clara do presente” e que estamos num período crítico porque já estamos a viver as consequências das alterações climáticas.

“Como governantes temos de ter uma visão muito clara”, sustentou na sua abordagem. “Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Relativamente às medidas mais urgentes na AML, que podem ser generalizadas para o território nacional, o presidente da autarquia lisboeta foca-se na utilização das energias renováveis, nomeadamente na solar devido ao tempo mediterrâneo da capital portuguesa, à aposta em mobilidade sustentável, com investimentos na Carris e em transportes públicos, além de uma aposta em eficiência energética com os edifícios.

Para o setor das energias renováveis, Fernando Medina declarou que estas são importantes para o planeta e para os portugueses, porque permite que a produção de energia renovável aumente, sendo a produção energética de combustíveis fósseis “o primeiro elemento da produção de emissões com impacto no aquecimento global”.

Também nos transportes se tem verificado investimentos. “Os resultados da introdução do passe único são muito animadores, estamos com mais 40% de venda de passes de utilização mensal desde que foram feiras as mudanças de tarifário”, assumiu o autarca, sustentando que esta percentagem representa um aumento de 200 mil pessoas a utilizar transportes públicos. Medina revelou ainda que o próximo investimento, apesar de ainda estar a ser discutido com o Governo, deverá ser em mobilidade sustentável.

Já na eficiência energética, Medina declarou que é necessário alterar a forma como os edifícios estão a consumir energia. Para poupar e reduzir a perda energética, o autarca destacou a instalação de painéis solares fotovoltaicos ligados à rede, que permitem produzir energia para o total da rede e abastecer a casa para quando é necessário. Algo que Fernando Medina chamou de “microprodução doméstica”.

Apesar de estarem planeados grandes investimentos e melhorias, o presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa afirmou que “não estamos dispensados de participar na batalha”, porque embora tenhamos “capacidade para fazer a nossa parte, temos de fazer mais para compensar quem não faz a sua”. E tem sido esta vontade e força para melhorar que faz com que sejamos “procurados para integrar os grandes planos e parcerias” e de sermos cada vez mais reconhecidos, como é exemplo o galardão para sermos Capital Verde Europeia no próximo ano.

No fim da sua apresentação, Fernando Medina deixou a questão no ar “onde devemos colocar as nossas prioridades”. Ainda que assuma que esta é uma grande dificuldade, temos de esquecer os negacionistas do aquecimento global e sermos capazes de passar para lá do discurso de angústia marcado por Greta Thunberg, António Guterres e Al Gore. “Temos de ser precisos a comunicar a resposta fundamental dos agentes políticos e como cada cidadão da AML ou de Portugal pode contribuir para a causa e como podem agir”.

Ler mais
Relacionadas

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.

Habitantes do Tejo e Sado em risco de ficar debaixo de água

As consequências mais relevantes para a vida das populações no Tejo e no Sado serão as alterações nas zonas ribeirinhas e os problemas de saúde que se vão verificar por causa das ondas de calor cada vez mais frequentes e extremas.

Europa vai sofrer ondas de calor cada vez mais extremas

Estudo da Agência Ambiental da União Europeia (EEA) prevê que que a Europa venha a sofrer ondas de calor cada vez mais extremas todos os anos.
Recomendadas

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.

Projeto para devolver garrafas de plástico nos supermercados deverá arrancar no primeiro trimestre de 2020

Segundo os promotores, este é um projeto muito importante para preparar a implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, que deverá suceder ao sistema de incentivo a partir de 1 de janeiro de 2022.

Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.
Comentários