Passive House: As casas que consomem menos energia em Portugal

As casas mais eficientes a nível energético em Portugal consomem apenas 4000 kWh anuais, o que resulta numa poupança de 75% de energia.

Chegaram a Portugal em 2013 e já conseguiram sensibilizar sobretudo projectistas (arquitectos e engenheiros), tendo já mais de 50 projectistas Passive House certificados (Certified Passive House Designers) no nosso país. No entanto, promotores e investidores particulares também já se renderam a este conceito de construção sustentável, que gera reduções das necessidades de energia para aquecimento e arrefecimento das casas, na ordem dos 75%.

A Passive House é um conceito construtivo que define um padrão que é, eficiente sob o ponto de vista energético, confortável, economicamente acessível e ecológico. Trata-se de uma norma que assenta no desempenho dos edifícios e que obriga ao cumprimento de requisitos muito objetivos. João Marcelino e João Gavião são os responsáveis pela Homegrid e Associação Passivhaus Portugal e por trazerem o conceito para o nosso país.

A 6ª Conferência Passivhaus Portugal 2018 vai decorrer este mês, nos dias 28 e 29 de novembro, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro. João Gavião indica que há uma consciencialização crescente relativamente a estes aspetos da eficiência. Mas mais do que propriamente a eficiência energética e hídrica, a grande preocupação de quem procura a Passive House como solução é a necessidade de assegurar ambientes construídos confortáveis e que contribuam para o bem estar das pessoas. “Há casos de consumos totais de energia final de cerca de 4000 kWh anuais, o que para uma habitação com mais de 200 metros quadrados é um consumo extremamente reduzido. E a esta baixa necessidade de energia é conseguida com elevados níveis de conforto, temperaturas mínimas de 20°C e máximas de 25°C, e de qualidade do ar interior”, explica.

Neste momento, existem seis Passive Houses certificadas, estando em desenvolvimento algumas dezenas. Dos projectos mais recentes destaque para o primeiro escritório Passive House, concluído muito recentemente e desenvolvido pela Homegrid.

Recomendadas

Ingleses à espera do Brexit para continuarem a investir em Portugal

O interesse no imobiliário português por cidadãos ingleses não esmoreceu, apenas esperam a saída oficial do Reino Unido da União Europeia para regressarem ao mercado. Verifica-se incluive, o aumento da procura por parte de jovens profissionais britânicos.

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.

Preços de venda e real valor das casas estão desajustados

A aquisição de casa própria é, normalmente, o maior investimento efetuado por uma família e geralmente o preço que pagam não é adequado ao valor real do imóvel. Uma correta avaliação do imóvel a adquirir é fundamental para decidir a compra de casa.
Comentários