Passos Coelho rejeita voltar à vida política

“Para a frente está a minha vida pessoal, não tem nada de política”, disse Passos Coelho aos jornalistas, quando questionado se equacionava voltar à vida política ativa.

O antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho rejeitou esta terça-feira ter planos para regressar à política ativa.

À chegada à sessão de apresentação do livro “Direito ao Futuro: por um mundo mais justo, mais verde e mais seguro”, do antigo-governante Jorge Moreira da Silva, Passos Coelho rejeitou ter a ambição de voltar à política.

A apresentação do livro do antigo ministro do Ambien­te e da Energia juntou Paulo Portas e Cavaco Silva, além de Passos Coelhos, assim como vários membros do XIX Governo Constitucional (2011-2015).

Questionado pelos jornalistas se tinha saudades de liderar aquele Executivo, o antigo Chefe de Governo respondeu que “o caminho faz-se sempre para a frente”.

Questionado se esse caminho incluirá, no futuro, algumas destas pessoas, Passos Coelho voltou a ser categórico: “Nada disso, para a frente está a minha vida pessoal, não tem nada de política”, disse.

Depois da saída da vida política, o ex-primeiro-ministro é desde 2018 professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Recomendadas

“OE2022? Primeiro-ministro não quer negociar”, acusa líder parlamentar do Bloco de Esquerda

Em entrevista à Antena 1, Pedro Filipe Soares acusou o primeiro-ministro de não querer negociar medidas do Orçamento do Estado para 2022: “Proposta do OE não continha nenhum medida proposta pelo BE”, realçou o líder parlamentar do Bloco de Esquerda.

5G. Rangel acusa Costa de “lavar as mãos como Pilatos” e diz que existem meios legais para destituir líder da Anacom (com áudio)

O social-democrata disse que Portugal está na “cauda da Europa” no 5G, sendo o único país, a par da Lituânia, que permanece no “ponto zero” desta tecnologia.

Negociações para OE2022 sem fumo branco em dia de concertação social (com áudio)

Num dia em que o primeiro-ministro marcou presença na reunião de concertação social e num debate parlamentar, os avanços para a aprovação do Orçamento do Estado para 2022 foram parcos, com o PAN e PEV a colocarem as suas exigências em cima da mesa, enquanto PCP e BE permanecem distantes do Governo.
Comentários