Patrão da indústria do calçado diz que faltam 2.000 trabalhadores no setor

Presidente da Associação Portuguesa da Indústria do Calçado, Componentes, Artigos de Pele Sucedâneos (APICCAPS) afirma, em entrevista ao “Jornal de Negócios”, que esta necessidade se sente em todas as áreas da indústria do calçado, curtumes e empresas em atividades adjacentes.

O presidente da Associação Portuguesa da Indústria do Calçado, Componentes, Artigos de Pele Sucedâneos (APICCAPS) afirma, em entrevista ao “Jornal de Negócios” que a indústria do calçado necessita de, pelo menos, mais 2.000 trabalhadores.

Luís Onofre diz que “a indústria portuguesa não produz mais porque não há mão de obra qualificada que seja suficiente para as encomendas que temos”, estendendo-se esta carestia a todas as áreas da indústria do calçado, curtumes e empresas em atividades adjacentes.

O presidente da APICCAPS revela insatisfação com o aumento de 2,8% das exportações no ano passado, face a 2016, apesar de representarem um novo recorde, em volume.

Na entrevista ao “Jornal de Negócios”, Luís Onofre diz que o setor foi prejudicado por questões relacionadas com mercados específicos – como o Brexit no Reino Unido – e, também, pela meteorologia. Diz que o inverno foi “desastroso” e aponta que a indústria devia ser considerada como a agricultura, por causa da influência do tempo na atividade.

Relacionadas

Calçado português: uma história de sucesso em 152 países

Este mês há uma nova promoção em Milão, Las Vegas, Londres e Paris.

Calçado: Investimento de 6 milhões de euros para dar “salto qualitativo” na internacionalização

Projeto é cofinanciado pelo Programa Compete 2020, e envolve investimento elegível de 5,9 milhões de euros.

Calçado português prepara-se para conquistar os EUA em 2018

Em 2018, a campanha de promoção do calçado português terá sete protagonistas e assumirá uma linguagem mais jovem, orientada para novos consumidores e mercados.
Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários