PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.

Ao fim de um ano de mandato de João Leão à frente das Finanças, patrões e sindicatos reconhecem a peculiaridade e exigência dos tempos, mas não deixam de apontar lacunas na resposta do Ministério à crise pandémica e aos problemas estruturais do país. Parceiros sociais apontam o dedo ao Executivo pela falta de diálogo na progressão salarial e de carreiras, bem como defesa do emprego e excessiva burocracia no acesso aos apoios. Alertam ainda para os efeitos do fim das moratórias nas empresas. Todos convergem na mensagem: a resposta à crise esteve longe de ser suficiente.

Além da falta de diálogo referida pelos parceiros sociais, que se manifestaram desapontados com os esforços em termos de progressão salarial e nas carreiras da função pública, os patrões alertam para a excessiva burocracia no acesso aos apoios e para os possíveis efeitos do fim das moratórias de crédito num tecido empresarial descapitalizado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

“Recuperação económica tem de ser feita com os olhos postos no futuro”, diz António Costa

O líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, salientou hoje que a recuperação económica do país “tem que ser feita com os olhos postos no futuro”, considerando essencial assegurar condições às novas gerações para se autonomizarem.

PremiumPensionistas vão receber metade do salário em 20 anos

Bruxelas estima que capacidade das pensões de substituição dos rendimentos do trabalho cai em Portugal de 74% em 2019 para 54,5% em 2040.
Comentários