PremiumPatrões temem impacto das leis laborais no futuro das suas empresas

Maioria dos patrões teme que regresso da legislação pré-troika não seja suportável. Quase metade dos empresários e gestores associados da ACEGE diz ter trabalhadores pobres, com 98,4% a admitir que os devem ajudar.

Uma grande maioria dos patrões portugueses têm medo de que as mexidas na legislação laboral que têm sido avançadas pelos partidos de esquerda como uma condição para viabilizarem o Orçamento do Estado para 2022 tenham um impacto muito negativo nas contas das suas empresas.

Mais de quatro em cada cinco participantes no barómetro da ACEGE – Associação Cristã de Empresários e Gestores, realizado em colaboração com o Jornal Económico e a Rádio Renascença, deixaram claro que temem que as cedências do Executivo de António Costa aos partidos de esquerda se venham a revelar incomportáveis para as suas empresas, com 82,5% a admitirem sentir tal receio e apenas 17,5% a desvalorizarem o efeito das alterações.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários