Patrulha Aérea da GNR deteta corte ilegal de árvores perto de Rio Maior

No âmbito de uma acção de patrulhamento aéreo, a GNR intercetou e identificou dois homens, com 22 e 56 anos, funcionários de uma empresa de exploração florestal que estavam a fazer corte ilegal de árvores, perto de Rio Maior. Atividade ilegal foi detectada em plena florestal acção de reforço vigilância para prevenir incêndios florestais.

A Guarda Nacional Republicana (GNR) detectou nesta terça-feira, 10 de setembro,  perto da localidade de Rio Maio, corte ilegal de árvores em espaço florestal. Atividade ilegal de trabalhos florestais foi detectada durante patrulhamento aéreo que visou reforçar a vigilância, fiscalização com o objectivo de prevenir incêndios florestais. Foram intercetados e identificados dois homens, com 22 e 56 anos, funcionários de uma empresa de exploração florestal.

“Durante o patrulhamento aéreo realizado ontem, dia 10 de setembro, perto da localidade de Rio Maior, o meio aéreo detetou uma atividade ilegal de trabalhos florestais, com utilização de maquinaria, atividade esta proibida, por estar a decorrer a situação de alerta”, revela a GNR em comunicado, que divulgou o vídeo da acção.

Segundo a GNR, os militares que se encontravam no helicóptero, via rádio e com o apoio de um tablet, transmitiram as coordenadas GPS, para a patrulha terrestre, o que permitiu intercetar e identificar dois homens, com 22 e 56 anos, funcionários de uma empresa de exploração florestal, que, diz, “operavam duas máquinas de carregamento e transporte de madeira, tendo de imediato cessado os trabalhos”.

A GNR avança, no comunicado, que no período de 4 de setembro, até às 24 horas, do dia de ontem, 10 de setembro, ao abrigo da Declaração da Situação de Alerta, através das suas valências de Proteção da Natureza e Ambiente, territorial, investigação criminal, cavalaria, bem como do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), reforçou a vigilância, fiscalização e o patrulhamento terrestre em todo o território continental com o objectivo de prevenir incêndios florestais.

Ainda neste âmbito, a GNR conta que, com recurso a um helicóptero da Força Aérea Portuguesa (FAP), levou a cabo ações de patrulhamento aéreo, incidindo nos distritos que se encontram em Estado de Alerta Especial, com risco de incêndio muito elevado e máximo.

“Para além da sua normal guarnição da FAP (piloto e mecânico), o helicóptero transportava dois militares da GNR, que estavam em permanente observação das áreas florestais, com o intuito de detetar atividades que violassem o previsto na referida declaração, ou que configurem comportamentos suspeitos da prática de crimes”, explica a GNR.

Os factos, acrescenta a GNR, foram remetidos ao Tribunal Judicial de Santarém.

Na qualidade de entidade responsável pela coordenação do patrulhamento no âmbito da vigilância da área florestal, a nível nacional, referentes ao período da Declaração da Situação de Alerta, a GNR coordenou um total de 5.780 patrulhas, das quais 3.846 efetuadas pela GNR, tendo ainda empenhado 7 836 militares e percorrido mais de 222 mil quilómetros. Neste período a GNR ainda identificou 24 indivíduos e deteve outros quatro, pela suspeita da prática do crime de incêndio florestal.

Ler mais
Recomendadas

Polícia desmantela maior fornecedor de televisão pirata da Europa

Operação foi liderada pela Eurojust em conjunto com polícias da Bulgária, da Alemanha, da Grécia, da França e da Holanda. Os dois cidadãos gregos disponibilizavam um serviço online que permitia personalizar os pacotes televisivos pirata.

Doca da Marinha em Lisboa vai ser transformada numa zona de lazer à beira Tejo

A Doca da Marinha vai agora ser alvo de uma intervenção de requalificação no valor de 1,6 milhões de euros. A proposta vencedora para aquela zona Campo das Cebolas/Doca da Marinha é um projeto da autoria do arquiteto João Carrilho da Graça.

‘When & Where’. Cinco adolescentes criam aplicação para regressar a casa sem medo

A aplicação foi criada quando as cinco jovens foram confrontadas com um desafio do professor no sentido de resolver um problema da comunidade. A ideia surgiu com base em dois casos conhecidos em Madrid, em que duas jovens foram atacadas quando iam para casa.
Comentários