Paulo Trigo Pereira: “Se tiver excedentes orçamentais a economia cresce menos”

O economista e professor universitário defendeu que “não basta dizer na folha de excel qual o saldo necessário para reduzir a dívida” e sustentou que “a sustentabilidade da dívida tem três dimensões: económico-financeira, social e política”.

Paulo Trigo Pereira | Cristina Bernardo

O professor universitário e antigo deputado Paulo Trigo Pereira discordou esta segunda-feira da necessidade de excedentes orçamentais, defendendo que não é pelo saldo orçamental que se deverá reduzir o rácio da dívida face ao PIB.

“Temos um novo enquadramento e novas questões. Este Orçamento dá uma resposta com a qual eu não concordo. Qual é nos próximos anos, o saldo primário máximo que o país deve ter nesta trajetória para reduzir a despesa pública?”, disse Paulo Trigo Pereira, num debate com o economista Joaquim Miranda Sarmento, na conferência “Orçamento do Estado para 2020”, organizada SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, em Lisboa, esta segunda-feira.

“Não basta dizer na folha de excel qual o saldo necessário para reduzir a dívida. A sustentabilidade da dívida tem três dimensões: económico-financeira, social e política”, destacou.

Apesar de salientar a necessidade de “ter nos próximos dez anos contas certas”, questionou qual “o esforço máximo socialmente e politicamente que a sociedade portuguesa aguenta”.

“A outra questão fundamental é que medidas e estratégia vamos ter para o crescimento”, disse, acrescentando que “diminuo o rádio da dívida no PIB querendo saldos orçamentais excedentários – a visão de que é preciso excedente, que não subscrevo”.

“Se tiver excedentes orçamentais maiores, a economia cresce menos. Queremos aumentar, ir pela via dos saldo primários estratosféricos?”, acrescentou.

Ler mais

Relacionadas

Miranda Sarmento: “Aparentemente todos se renderam àquilo que chamo os conservadores orçamentais”

Conselheiro estratégico do PSD para a área das contas públicas destacou que a grande alteração do debate sobre as contas públicas em Portugal é que nenhum dos partidos com representação parlamentar centrou a campanha para as legislativas no aumento do défice ou no agravamento da dívida pública.

Joaquim Miranda Sarmento: “Nos próximos quatro anos é preciso trazer outra Autoeuropa”

Coordenador do programa económico do PSD obteve a concordância do parceiro de debate, o ex-deputado Paulo Trigo Pereira. E admitiu que seria muito mais difícil ver um grande projeto de investimento direto estrangeiro no interior de Portugal.

Trigo Pereira: “A justiça não pode funcionar em papel”

O economista e antigo deputado defendeu a necessidade de um ‘simplex’ para a justiça. Apesar de considerar o cenário macroecómico do Governo “realista”, alerta para o que considera serem as medidas “com pouco impacto” para a habitação.
Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários