PCP alerta para “instabilidade social” caso OE2021 não responda aos problemas nacionais agravados pela Covid-19

O líder comunista alerta que os “dramas sociais” vão aumentar devido à pandemia da Covid-19 e exorta o Governo a “valorizar salários e dos direitos”. E avisa: PCP não está disponível para negociar com quem “ameace com crises políticas” sem apresentar propostas concretas para os problemas nacionais.

Mário Cruz/LUSA

O secretário-geral do Partido Comunista (PCP), Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira que, se não forem apresentadas respostas para os problemas estruturais do país no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), a instabilidade social será inevitável. O líder comunista alerta que os “dramas sociais” vão aumentar significativamente devido à pandemia da Covid-19 e exorta o Governo a “valorizar salários e dos direitos”.

“Se não se encontrarem respostas concretas [para os problemas sociais], pode-se conseguir toda a estabilidade política, mas a verdade é que instabilidade social e os dramas sociais no nosso país vão aumentar significativamente. É contra isso que nos debatemos”, afirmou Jerónimo de Sousa, a propósito das negociações do OE2021, em declarações à margem da iniciativa que assinala os 50 anos da CGTP-IN, em Lisboa.

Jerónimo de Sousa disse que uma das “vantagens” de andar na política “já muitos anos” é a de saber que “sempre que a estabilidade política foi transformada num valor absoluto, os resultados foram desastrosos”. “Por isso, é que, no nosso ponto de vista, essa estabilidade alcança-se dando resposta no plano imediato e, naturalmente, num plano mais de fundo”, salientou, enumerando o aumento dos salários como uma medida prioritária.

Apesar de reconhecer que que a pandemia veio obrigar a adoção de medidas excecionais, Jerónimo de Sousa defende que isso “não invalida a necessidade de recuperar uma tese central destes últimos anos que vivemos”: ao contrário do que muitos diziam, “foi a valorização dos salários e dos direitos que levou – além da melhoria das condições de vida, naturalmente – ao aumento do poder de compra, ao desenvolvimento do mercado interno e da economia”.

“Foi uma lição e um ensinamento que infelizmente parece que estar esquecido neste momento”, lamentou.

O secretário-geral comunista garantiu ainda que o PCP tem procurado dar a sua contribuição para a proposta orçamental, “sem nenhuma reserva mental”. Apesar de considerar que as negociações estão ainda “numa fase muito preliminar”, Jerónimo de Sousa deixa desde já um aviso: “não acompanhamos aqueles que em vez de procurarem as respostas para os problemas nacionais, dos trabalhadores e do povo, ameacem com uma crise política”.

Caso não haja acordo quanto ao Orçamento e o país tenha ser gerido em duodécimos, o líder comunista diz que “será sinal de que o Governo não atendeu as justas reivindicações a aspirações concretas e ao próprio interesse nacional”.

Ler mais
Relacionadas

OE2021: Líder parlamentar do BE diz que negociações estão a ser difíceis por “falta de vontade” do Governo

Pedro Filipe Soares acusa o Executivo de “mudança de humores” e de acenar com uma crise política, ao mesmo tempo que adia reuniões e discussões de propostas, e revela que o Novo Banco é um dos pontos de discórdia entre o Governo e o BE.

Catarina Martins ataca “gangsterismo financeiro” e espera “sinais mais claros de vontade negocial do PS” no Orçamento do Estado

Entrevistada no programa “Polígrafo” da SIC Notícias, a coordenadora bloquista repetiu expressão utilizada por João Semedo no “caso BPN”, apontou condições para haver avanços nas negociações em curso no Ministério das Finanças e apelidou André Ventura de “cobarde oportunista” por “tratar de ‘offshores'”

Costa avisa: “Haver uma crise política era absolutamente insano e injustificado”

O primeiro-ministro garante que o Executivo está a preparar o Orçamento do Estado para 2021 com “tranquilidade” e assegura que as negociações com os parceiros têm registado avanços.

Recuperação em cima da mesa de jantar de von der Leyen e Costa

A presidente da Comissão Europeia vai estar ao lado do primeiro-ministro na apresentação do Plano de Recuperação na terça-feira, mas antes têm agendado um jantar de trabalho esta segunda-feira.
Recomendadas

Abertura de restaurantes: Rui Rio acusa Eduardo Cabrita de ser “mentiroso”

A publicação do presidente do PSD surgiu na sequência das declarações de Eduardo Cabrita sobre a posição do partido social democrata quanto às

CDS-PP pede encerramento de escolas e apoios “mais rápidos” e “sem burocracias” à economia

O líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, considera que o facto de o Conselho de Ministros estar a ponderar novas restrições, cinco dias depois de se ter reunido, mostra que as medidas tomadas foram “insuficientes”, e pede que os apoios à economia cheguem “mais rápido” e “sem burocracias”.

Marcelo Rebelo de Sousa: “Houve erro de cálculo no momento da segunda vaga”

O Presidente da República reconhece o cansaço e fadiga dos portugueses quanto à adesão das medidas de confinamento geral, mas apela para que sejam cumpridas: “Se não aderem, o custo é maior na vida do dia a dia e na duração do estado de emergência e do confinamento”.
Comentários