PCP alerta para “instabilidade social” caso OE2021 não responda aos problemas nacionais agravados pela Covid-19

O líder comunista alerta que os “dramas sociais” vão aumentar devido à pandemia da Covid-19 e exorta o Governo a “valorizar salários e dos direitos”. E avisa: PCP não está disponível para negociar com quem “ameace com crises políticas” sem apresentar propostas concretas para os problemas nacionais.

Mário Cruz/LUSA

O secretário-geral do Partido Comunista (PCP), Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira que, se não forem apresentadas respostas para os problemas estruturais do país no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), a instabilidade social será inevitável. O líder comunista alerta que os “dramas sociais” vão aumentar significativamente devido à pandemia da Covid-19 e exorta o Governo a “valorizar salários e dos direitos”.

“Se não se encontrarem respostas concretas [para os problemas sociais], pode-se conseguir toda a estabilidade política, mas a verdade é que instabilidade social e os dramas sociais no nosso país vão aumentar significativamente. É contra isso que nos debatemos”, afirmou Jerónimo de Sousa, a propósito das negociações do OE2021, em declarações à margem da iniciativa que assinala os 50 anos da CGTP-IN, em Lisboa.

Jerónimo de Sousa disse que uma das “vantagens” de andar na política “já muitos anos” é a de saber que “sempre que a estabilidade política foi transformada num valor absoluto, os resultados foram desastrosos”. “Por isso, é que, no nosso ponto de vista, essa estabilidade alcança-se dando resposta no plano imediato e, naturalmente, num plano mais de fundo”, salientou, enumerando o aumento dos salários como uma medida prioritária.

Apesar de reconhecer que que a pandemia veio obrigar a adoção de medidas excecionais, Jerónimo de Sousa defende que isso “não invalida a necessidade de recuperar uma tese central destes últimos anos que vivemos”: ao contrário do que muitos diziam, “foi a valorização dos salários e dos direitos que levou – além da melhoria das condições de vida, naturalmente – ao aumento do poder de compra, ao desenvolvimento do mercado interno e da economia”.

“Foi uma lição e um ensinamento que infelizmente parece que estar esquecido neste momento”, lamentou.

O secretário-geral comunista garantiu ainda que o PCP tem procurado dar a sua contribuição para a proposta orçamental, “sem nenhuma reserva mental”. Apesar de considerar que as negociações estão ainda “numa fase muito preliminar”, Jerónimo de Sousa deixa desde já um aviso: “não acompanhamos aqueles que em vez de procurarem as respostas para os problemas nacionais, dos trabalhadores e do povo, ameacem com uma crise política”.

Caso não haja acordo quanto ao Orçamento e o país tenha ser gerido em duodécimos, o líder comunista diz que “será sinal de que o Governo não atendeu as justas reivindicações a aspirações concretas e ao próprio interesse nacional”.

Ler mais
Relacionadas

OE2021: Líder parlamentar do BE diz que negociações estão a ser difíceis por “falta de vontade” do Governo

Pedro Filipe Soares acusa o Executivo de “mudança de humores” e de acenar com uma crise política, ao mesmo tempo que adia reuniões e discussões de propostas, e revela que o Novo Banco é um dos pontos de discórdia entre o Governo e o BE.

Catarina Martins ataca “gangsterismo financeiro” e espera “sinais mais claros de vontade negocial do PS” no Orçamento do Estado

Entrevistada no programa “Polígrafo” da SIC Notícias, a coordenadora bloquista repetiu expressão utilizada por João Semedo no “caso BPN”, apontou condições para haver avanços nas negociações em curso no Ministério das Finanças e apelidou André Ventura de “cobarde oportunista” por “tratar de ‘offshores'”

Costa avisa: “Haver uma crise política era absolutamente insano e injustificado”

O primeiro-ministro garante que o Executivo está a preparar o Orçamento do Estado para 2021 com “tranquilidade” e assegura que as negociações com os parceiros têm registado avanços.

Recuperação em cima da mesa de jantar de von der Leyen e Costa

A presidente da Comissão Europeia vai estar ao lado do primeiro-ministro na apresentação do Plano de Recuperação na terça-feira, mas antes têm agendado um jantar de trabalho esta segunda-feira.
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários