PCP diz que greve dos motoristas “procura atingir mais a população que o patronato”

Os comunistas defendem que a paralisação instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas por “obscuros objetivos políticos” e sublinha que a requisição civil decretada pelo Governo procura limitar o direito à greve.

O Partido Comunista (PCP) considera que a greve dos motoristas, que teve início esta segunda-feira, dia 12, “procura atingir mais a população que o patronato”. Os comunistas defendem que a paralisação instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas por “obscuros objetivos políticos” e sublinha que a requisição civil decretada pelo Governo procura limitar o direito à greve.

“Está[-se] a realizar uma greve por tempo indeterminado e com uma argumentação que, instrumentalizando reais problemas e descontentamento dos motoristas, é impulsionada por exercícios de protagonismo e por obscuros objetivos políticos e procura atingir mais a população que o patronato. Uma ação cujos promotores se dispõem para que seja instrumentalizada para a limitação do direito à greve”, lê-se num comunicado emitido pelo PCP esta terça-feira.

O PCP entende que os motoristas enfrentam “um vasto conjunto de problemas” que se acumularam sem ser possível a negociação de acordo coletivo durante duas décadas, o que gerou “um legítimo descontentamento dos trabalhadores”.

O partido liderado por Jerónimo de Sousa explica que, no ano passado, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) fizeram uma negociação do Contrato Coletivo de Trabalho Vertical (CCTV), que “deu resposta a algumas das justas aspirações dos trabalhadores e prevê a revisão anual das cláusulas com expressão pecuniária”. No entanto, os termos do acordo foram violados.

“Independentemente da evolução verificada, o PCP salienta que a resposta aos problemas, que se mantêm, exige o desenvolvimento da luta consequente, acompanhada de uma negociação coletiva que resolva os problemas e reafirma a defesa do efetivo exercício do direito à greve”, indica.

Sobre a decisão anunciada pelo Governo de recorrer à requisição civil e de decretar serviços mínimos, os comunistas acusam o Executivo socialista de se aproveitar dos factos “para introduzir limitações no direito à greve, suscetíveis de serem invocadas duma forma mais ampla”.

O Governo avançou esta segunda-feira com requisição civil para minimizar os efeitos da greve dos motoristas de matérias perigosas, após ter estado reunido com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na qual garantiu que os serviços mínimos não estariam a ser cumpridos.

A requisição civil “compreende o conjunto de medidas determinadas pelo Governo necessárias para, em circunstâncias particularmente graves, se assegurar o regular funcionamento de serviços essenciais de interesse público ou de sectores vitais da economia nacional”, segundo o decreto-lei que criou este instrumento legal em novembro de 1974.

Ler mais
Relacionadas
combustíveis, motoristas

O que acontece aos motoristas se incumprirem a requisição civil?

A requisição civil será regulada por portaria ministerial, impondo as obrigações aos motoristas. Em caso de incumprimento, que constitui justa causa para despedimento, os motoristas poderão responder criminal e civilmente.

Requisição civil: o que diz o decreto-lei quanto à distribuição de combustíveis

É uma medida de “carácter excecional” que visa salvaguardar determinadas atividades de interesse público. O decreto-lei aprovado em 1974, e que regula a requisição civil, prevê que “a exploração, transformação e distribuição de combustíveis destinados a assegurar o fornecimento da indústria em geral ou de transportes públicos de qualquer natureza” justificam esta medida.
Nome do ficheiro: greve-motoristas-matérias-perigosas.jpg

Motoristas: Trabalhadores a funcionar a 100% mas só oito horas

Todos os motoristas de matérias perigosas estão a trabalhar esta terça-feira, 13 de agosto, no segundo dia de greve e primeiro em que funciona a requisição civil decretada na segunda-feira pelo Governo, garantiu o representante sindical destes trabalhadores.
Recomendadas

Angola vai aos mercados buscar até 3 mil milhões de dólares

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos do Banco Fomento Angola diz que a equipa do Ministério das Finanças reuniu-se com vários investidores na semana passada em Nova Iorque, numa operação que será apoiada pelo Deutsche Bank, ICBC e Standard Chartered.

Criminalidade e delinquência são o maior risco de segurança para empresas em Angola, diz Fitch

De acordo com um relatório que apresenta os riscos operacionais em Angola para o primeiro trimestre de 2020, produzido pela consultora Fitch e a que a Lusa teve acesso, a história violenta de Angola, a desigualdade e os altos níveis de pobreza são fatores que contribuem para o elevado nível de crimes com motivação económica no país.

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.
Comentários