PremiumPCP junta-se ao Bloco de Esquerda na ameaça de chumbo na generalidade

Proposta apresentada na segunda-feira não convenceu partidos à esquerda do PS, mas todos abrem a porta a mais negociações antes da votação de 27 de outubro. Entrevistado ontem à noite, JoãoLeão admitiu mexer no IRS.

Tiago Petinga/LUSA

A proposta de Orçamento do Estado para 2022 corre o risco de ser a primeira dos executivos de António Costa a ser chumbada na Assembleia da República, apesar de o primeiro-ministro e secretário-geral do PS nunca ter contado com maioria absoluta em mais de seis anos de governação. Esse é um cenário que implicaria uma crise política e que, sem ser irreversível, se torna mais verosímil por o PCP ter secundado o Bloco de Esquerda no aviso de que votará contra se o documento não for substancialmente alterado até à votação na generalidade, a 27 de outubro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários