PCP propõe nacionalização imediata do Novo Banco

Os comunistas propõem que “o Governo reverta o contrato de venda do Novo Banco, garantindo que eventuais indemnizações incidam exclusivamente sobre o montante injetado pela Lone Star”.

O PCP propôs hoje, na Assembleia da República, que se “inicie de imediato o processo de integração” do Novo Banco “na esfera pública” ou nacionalização.

Os comunistas propõem que “o Governo reverta o contrato de venda do Novo Banco, garantindo que eventuais indemnizações incidam exclusivamente sobre o montante injetado pela Lone Star, deduzido de eventuais ganhos decorrentes da gestão de ativos do banco, ou de práticas de gestão danosa”, lê-se numa nota divulgada pelo grupo parlamentar.

O PCP propõe, igualmente, “uma avaliação extraordinária da política de gestão de ativos, património e perdão de dívidas no Novo Banco, da idoneidade dos seus administradores, nomeadamente no que diz respeito à política de prémios e à política salarial da administração e dos gestores de topo”.

Quase à mesma hora a que foi anunciado o projeto de lei de nacionalização do Novo Banco, Jerónimo de Sousa, secretário-geral dos comunistas, criticou, numa audição com sindicalistas, a continuada injeção de dinheiro pelo Estado.

Quando Jerónimo lembrou que o seu partido tinha proposto a criação de um fundo público, financiado pelo Orçamento do Estado, para garantir os salários aos trabalhadores, fez uma pergunta e ele próprio deu a resposta: “Dirão que é preciso percebermos que não há dinheiro, ao que bastará responder com duas palavras: Novo Banco.”

“Enquanto uns se entretêm com a discussão sobre se deve haver ou não auditoria, para o Novo Banco, tal como aconteceu nos últimos anos para a banca na generalidade, escorrem milhares de milhões de euros sem que os bancos fiquem na posse do povo português”, disse.

No texto que acompanha o projeto de lei, recorda-se a a transferência de “mais 850 milhões de euros para o Novo Banco” dará razão ao partido que, no Orçamento do Estado de 2020, propôs que “qualquer transferência para o Novo Banco deveria significar o início do processo de recuperação do seu controlo público”.

Os contribuintes portugueses “continuam a pagar o buraco sem fundo da ruinosa gestão privada da banca, e no final o banco continua a ser privado, e não é colocado ao serviço do país”, segundo o PCP.

Ler mais

Relacionadas

PSD pede esclarecimentos escritos à administração do Novo Banco

Em declarações aos jornalistas no parlamento, o deputado do PSD Duarte Pacheco anunciou que, depois de o presidente do partido, Rui Rio, ter feito na quarta-feira “perguntas pertinentes” ao primeiro-ministro, que “não obtiveram resposta”, hoje o presidente do Novo Banco disse estar disponível para informar o parlamento e prestar todos os esclarecimentos necessários.

Administração do Novo Banco lamenta que banco seja “usado em manobras políticas”

O banco liderado por António Ramalho responde ao debate parlamentar desta quarta-feira. “Os senhores deputados devem procurar, através de todas as iniciativas, e sublinhamos todas as iniciativas que estão nas suas atribuições, apurar tudo o que quiserem”.

António Costa sobre Novo Banco: “Se auditoria falhar, Fundo de Resolução pode reaver dinheiro”

O primeiro-ministro garante que Fundo de Resolução tem toda a legitimidade para recuperar o dinheiro que desembolsou agora com a injeção de 850 milhões de euros no Novo Banco.

Marques Mendes: “António Costa e Mário Centeno não tiveram sentido de Estado”

O comentador político refere que no caso do empréstimo dos 850 milhões ao Novo Banco as responsabilidades não são exatamente iguais. “Centeno tinha razão, mas foi desleal duas vezes com o primeiro-ministro”.
António Costa e Mário Centeno

“Não há crise, nem mini crise, nem nano crise”, sublinha Costa sobre Mário Centeno

Segundo o primeiro-ministro não existe crise política nem “conflito interno” com o ministro das Finanças: “Segue tudo normalmente a nível político”.

Mesmo sem auditoria, Novo Banco recebeu mais 850 milhões de euros em apoios do Estado

Os 850 milhões de euros foram transferidos para o Fundo de Resolução sob a forma de um empréstimo, que injetou 1.037 milhões de euro no Novo Banco. O dinheiro destina-se a compor as contas do Novo Banco de 2019.
Recomendadas

PremiumAbanca decide até 31 de maio a compra do EuroBic

Preço final a pagar pelo Abanca pela compra do Eurobic continua a arrastar as negociações. Dia ‘D’ é 31 de maio, mas prazo poderá ser adiado.

Qual o futuro do dinheiro? Gerir, pagar e receber online, dizem especialistas

Se os cartões sem contacto já são uma realidade para muitos portugueses o mesmo não se pode dizer dos métodos de pagamento com dados biométricos ou através de acessórios, como anéis. No entanto, a pandemia veio mudar a visão dos mais céticos.

PremiumCore Capital compra SousaCamp por 12,3 milhões de euros

A escritura de venda dos créditos do Novo Banco e do Crédito Agrícola no grupo Sousacamp à capital de risco Core Capital, foi finalmente assinada esta quinta-feira, dia 28 de maio.
Comentários