PCP quer redução do preço do passe intermodal para 30 euros

Os comunistas fizeram as contas e Jerónimo de Sousa afirmou que os custos desta medida, “uma conquista de largo alcance”, calculados em 50 milhões de euros, “valem bem do ponto de vista social, económico e ambiental”.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu esta terça-feira a “progressiva gratuitidade” do passe social intermodal, para os menores de 18 anos, e propôs uma redução do preço de 40 para 30 euros.

Os comunistas fizeram as contas e Jerónimo de Sousa afirmou que os custos desta medida, “uma conquista de largo alcance”, calculados em 50 milhões de euros, “valem bem do ponto de vista social, económico e ambiental”.

“Tão mais justa e possível quando aí vemos a drenagem de recursos públicos para o Novo Banco e de benesses para o grande capital”, afirmou, no encerramento de um encontro, no Pavilhão dos Desportos, na capital, sobre a Área Metropolitana de Lisboa (AML) com candidatos da CDU às eleições autárquicas no final do ano.

O líder do PCP reclamou para a “determinação da CDU” e para “a luta das populações” a “conquista do passe social intermodal”, uma medida tomada durante o primeiro Governo do PS, em que António Costa fez um acordo de incidência parlamentar com os partidos de esquerda, PCP, Bloco e PEV.

Agora, em vez de ficar “sujeita ao casuísmo e incerteza de deliberações anuais” nos Orçamentos do Estado, é preciso, “consolidar” a medida em “legislação nacional”, defendeu.

Recomendadas

Restauração: Preços afixados com clareza é meio caminho para o bom entendimento entre consumidor e estabelecimento de restauração

A lista do dia e os preços praticados, com taxas e impostos incluídos, devem estar, clara e obrigatoriamente, afixados à entrada do estabelecimento, em local bem visível do exterior.

A herança tem dívidas? Descubra que custos terá de suportar

Fique a par de todos os custos que poderão surgir com uma herança (especialmente se a mesma contiver uma dívida) e algumas dicas para evitá-los.

Serviços Públicos Essenciais: fornecimentos não podem ser cortados até ao final deste ano. O que deve saber

Os avisos de corte que tenham sido enviados ficam sem efeito, não podendo as empresas proceder ao corte de fornecimento, até 31 de dezembro de 2021.
Comentários