PCP vai pedir apreciação parlamentar sobre a nacionalização de 70% da Efacec

A deputada Diana Ferreira diz que a empresa tem uma “importância absolutamente estratégica do ponto de vista da produção e da economia nacionais”.

O Partido Comunista Português (PCP) vai solicitar a apreciação parlamentar sobre a nacionalização de 70% do capital da Efacec por considerar que é uma empresa que deve estar ao serviço do país e das suas necessidades.

A deputada Diana Ferreira reforçou esta quarta-feira que o partido defende que a Efacec tem de estar nas mãos do Estado, integrada inclusive no setor empresarial estatal devido ao seu contributo para a economia portuguesa.  Para o PCP, a Efacec tem “uma importância absolutamente estratégica do ponto de vista da produção e da economia nacionais”, de acordo com a informação prestada pela deputada, aos jornalistas, na Assembleia da República.

O Conselho de Ministros deu hoje ‘luz verde’ ao decreto-lei que procede à apropriação pública da participação social detida pela empresária angolana Isabel dos Santos, através da Winterfell 2 Limited, na Efacec, por via de nacionalização de 71,73% do capital social da empresa. O diploma seguiu para Belém e foi, entretanto, promulgado pelo Presidente da República.

“A repercussão dos acontecimentos relacionados com a estrutura acionista da Efacec Power Solutions, particularmente os efeitos do arresto de ativos de alguns dos seus acionistas, levou à impossibilidade de exercício dos direitos inerentes às participações que correspondem à maioria do capital da empresa, gerando diversas dificuldades no plano comercial e operacional e, em consequência, agravaram a situação financeira desta, situação que se tem vindo a deteriorar a um ritmo acelerado”, explicou o Governo, em comunicado.

Relacionadas

Nacionalização da Efacec: “Consequência de impensadas e desnecessárias atuações judiciárias portuguesas”, reage advogado de Isabel dos Santos

Desta forma, e de acordo com posição avança pela “SIC”, o advogado de Isabel dos Santos referiu a operação hoje conhecida é “consequência de impensadas e desnecessárias atuações judiciárias portuguesas, cuja invalidade a seu tempo será decidida”.

Marcelo promulga nacionalização da Efacec mas enfatiza “natureza transitória” da operação

De acordo com este comunicado, Marcelo Rebelo de Sousa dá ênfase ao acordo dos restantes acionistas privados, a natureza transitória da intervenção (tal como foi enfatizado pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira em conferência de imprensa), assim como a abertura simultânea de processo de reprivatização da posição agora objeto de intervenção pública”.

Luanda Leaks: Governo nacionaliza 70% do capital da Efacec

A medida foi hoje aprovada em conselho de ministros com o objetivo de salvaguardar 2.500 postos de trabalho devido ao “impasse acionista”. Ao mesmo tempo, o Governo deu início ao processo de reprivatização deste capital. “Não é uma intervenção de caráter duradouro, visa resolver o impasse acionista”, disse hoje o ministro da Economia. Decreto-lei já foi promulgado pelo Presidente da República.
Recomendadas

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.

“União Europeia é exemplo de resposta positiva à pandemia”, defende Augusto Santos Silva

Participando na 4ª Conferência de Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que as organizações mundiais da saúde e do comércio carecem de uma reforma profunda, sob pena de perderem eficácia.

Ex-ministro da saúde de Bolsonaro critica “frieza excessiva” do presidente na gestão da pandemia

O primeiro dos três ministros que Jair Bolsonaro já apontou para a pasta da saúde lançou um livro no qual aborda a gestão brasileira da pandemia, deixando fortes críticas à atuação do presidente.
Comentários