Pedro Filipe Soares: “Não há partidos à esquerda irresponsáveis”

O BE considerou esta quinta-feira que “a democracia aditivada” resultante dos acordos que viabilizaram, há três anos, o Governo minoritário socialista “foi benéfica para as pessoas” e deu uma nova centralidade ao parlamento, demonstrando não haver partidos irresponsáveis à esquerda.

Cristina Bernardo

Em entrevista à agência Lusa a propósito dos três anos que passam, no sábado, sobre a assinatura das posições conjuntas que permitiram o PS constituir um Governo minoritário com o apoio no parlamento de todos os partidos de esquerda, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, defendeu que “valeu a pena fazer este acordo”, mas não deixa “de questionar algumas das limitações que esta solução política também encerra”.

“É a demonstração que afinal, ao contrário do que alguns diziam – nós tivemos algumas vozes de mau agoiro como as de Cavaco Silva – não há partidos à esquerda irresponsáveis. O que há é alguns pensamentos sobre o país que eram irresponsáveis porque consideravam que havia votos de primeira e votos de segunda”, destacou.

Questionado sobre a nova centralidade que o parlamento ganhou com esta solução governativa, Pedro Filipe Soares recorreu a “alguns discursos do período pré-eleitoral de 2015”.

“Nós, Bloco, dizíamos isso. Num contexto em que não havia maiorias absolutas é o parlamento que ganha uma centralidade adicional. Ora, e neste contexto, ainda foi mais verdade”, lembrou.

A chegar “ao final da legislatura”, o BE concluiu “que de facto a centralidade do parlamento é amiga da melhoria da vida das pessoas”, já que “uma maioria absoluta muitas das vezes tem servido para um poder absoluto governar o país contra as pessoas”.

“Percebemos agora como esta democracia aditivada que resultou da geometria pós-eleitoral de 2015 foi benéfica para as pessoas porque deu força a propostas que de outra forma não fariam caminho porque seriam liminarmente rejeitadas”, elogiou.

O líder parlamentar do BE recordou que, nas legislativas de 2015, “o PS foi a eleições a dizer, por exemplo, que queria congelar as pensões”.

“Isto mostra como é tão importante o voto das pessoas nas próximas eleições e como isso será definidor para o que vem a seguir”, projetou.

Uma das “conclusões importantes” sobre estes acordos para quando o atual ciclo chegar às próximas eleições legislativas de 2019 é, para Pedro Filipe Soares, perceber que, “sempre que a esquerda teve força e essa força deu capacidade para influenciar na governação, as políticas implementadas foram mais amigas das pessoas”.

“O BE vai pedir o reforço da sua capacidade interventiva. Onde é que isso nos vai levar? O que nós já demonstramos é que estamos disponíveis para ter essa responsabilidade. E mais, que nós sabemos lidar com a responsabilidade que nos é dada”, garantiu.

Muitas das propostas que “diziam que eram irresponsáveis”, prosseguiu o bloquista, “provaram ser fundamentais quer para a melhoria da economia e das contas públicas quer para a vida das pessoas”, reafirmou.

“A definição das soluções está na mão das pessoas. O BE nunca negou qualquer responsabilidade, diz sempre é que depende das relações de forças. Não seremos penacho de um qualquer Governo. Estamos disponíveis para ir para o Governo para determinar políticas”, respondeu, quando questionado sobre eventuais acordos futuros.

Sobre se o acordo, caso fosse assinado hoje, seria diferente, Pedro Filipe Soares não tem dúvidas: “Hoje conhecemo-nos todos melhor, sabemos melhor o que é que cada um pensa e como é que pensa e por isso seriamos todos diferentes. O acordo não seria igual de certeza absoluta”.

“Este período permitiu-nos também a nós, Bloco, aprender muito, a ter acesso a muita informação, ter acesso a dados que de outra maneira não teríamos tido acesso e conquistar também o reconhecimento das nossas opiniões não tanto só pelo Governo, mas também publicamente, que de outra forma não teria ocorrido”, admitiu.pedro filipe soares

Ler mais
Recomendadas

Primeiro-ministro aponta matérias sociais como base para novos acordos à esquerda

O primeiro-ministro espera ter a confiança dos portugueses para fazer mais um mandato neste cargo e considera que matérias sociais como saúde, educação e combate às desigualdades podem ser base para novos acordos à esquerda.

António Costa: “É importante que franqueza transparência se mantenham com Angola”

A visita oficial de João Lourenço, que se inicia hoje e se prolonga até sábado, “restabelece a normalidade de uma relação que é muito frutuosa de parte a parte e que tem de continuar e desejavelmente deve prosseguir sendo aprofundada”, afirmou o primeiro-ministro, citando o próprio presidente angolano.

Da esquerda à direita, partidos realçam a importância da visita de João Lourenço

“Marco histórico”, “grande otimismo”, “laços históricos que são inabaláveis”, “expectativa, “aprofundamento das relações de amizade”. As perspetivas de cada partido em relação à visita oficial do Presidente de Angola a Portugal.
Comentários