Pedro Leitão deverá assumir presidência executiva do Montepio hoje

A reunião do conselho de administração para nomeação do novo presidente executivo deveria ter acontecido no dia 7, mas foi adiada devido à morte do familiar de um administrador, e remarcada para esta quinta-feira.

O gestor Pedro Leitão deverá assumir esta quinta-feira a presidência da comissão executiva do Montepio, com a nomeação em conselho de administração do banco, depois de ter sido adiada a reunião que deveria ter acontecido anteontem.

A reunião do conselho de administração para nomeação do novo presidente executivo deveria ter acontecido no dia 7, mas foi adiada devido à morte do familiar de um administrador, e remarcada para hoje.

Pedro Leitão assume a presidência executiva do Montepio quando passam quase dois anos desde a saída de Félix Morgado (março de 2018), um período marcado por instabilidade governativa no banco.

Inicialmente, após a saída de Félix Morgado, Carlos Tavares acumulou o cargo de presidente não executivo (‘chairman’) com a presidência executiva, mas o Banco de Portugal viria a proibir a acumulação de funções e, em fevereiro de 2019, Dulce Mota assumiu a presidência executiva interinamente.

Desde então, ainda não tinha sido decidida definitivamente a presidência executiva e surgiram várias notícias sobre tensão no banco devido à indefinição estratégica.

No início de dezembro, a assembleia-geral do banco Montepio aprovou o gestor Pedro Leitão como presidente executivo, numa reunião presidida por Tomás Correia, que então ainda era presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (o acionista de controlo do banco).

Já a 15 de dezembro Tomás Correia deixou esse cargo (no qual estava desde 2008), o qual foi assumido por Virgílio Lima.

As mudanças de liderança poderão significar o início de uma nova época para o grupo Montepio, que está numa fase de indefinição sobre o seu futuro, desde logo por dúvidas sobre a saúde das suas finanças.

Pedro Leitão, segundo o currículo divulgado pelo Montepio, já trabalhou em banca de retalho e na consultora Deloitte, foi administrador executivo do Banco Millennium Atlântico Luanda, em Angola, e nos últimos anos administrador executivo com o pelouro digital no Banco Millennium Atlântico Europa, em Lisboa.

No início de janeiro, Carlos Tavares enviou uma carta aos trabalhadores do banco em que falava do “ano difícil e desafiante” que o banco viveu em 2019 e das mudanças que traria 2020, que disse esperar ser um “ano de viragem”.

Sobre Pedro Leitão, considerou que “as suas qualidades pessoais e profissionais e o seu espírito de missão são motivos que animam e dão confiança neste novo ciclo”.

O grupo Montepio tem no topo a Associação Mutualista Montepio Geral, com mais de 600 mil associados, que tem como principal empresa subsidiária o banco Montepio, que desenvolve o negócio bancário.

Ler mais
Recomendadas

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.
Comentários