PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

Com os meios que vão ser “disponibilizados para combater a crise económica e social provocada pela Covid-19, estamos num momento único para Portugal relançar a atividade económica na totalidade do território nacional através da gestão integrada das florestas e Matos. Assim, podemos criar postos de trabalho no interior do país, tornando a gestão florestal eficiente, promovendo novas oportunidades de I&D e a produção nacional de pellets destinada às centrais a biomassa capazes de gerar eletricidade 100% nacional, renovável, valorizando ativos de energia despachável”.

É por isto que um dos maiores especialistas portugueses em engenharia florestal propôs ao Governo a criação de uma Plataforma Integradora da Gestão Florestal. Trata-se de um projeto a que Pedro Moura, ex-CEO da Portucel Moçambique, já afastado da vida profissional, dedicou muitos estudos nos últimos 30 anos, tendo concluído no final de 2019 o modelo de uma Plataforma Florestal que, referiu ao Jornal Económico, pode “otimizar a gestão do espaço florestal em Portugal, com vantagens óbvias para a diminuição dos riscos de incêndios de verão e para a criação de muita riqueza que tem vindo a ser desaproveitada durante décadas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Águas de Santarém lança marca própria de água

O lançamento da marca águAS contempla uma nova garrafa reutilizável, um rótulo e um posicionamento de marca semelhante a qualquer outra insígnia de água.

PSD quer criar “Conselho de Finanças Públicas para o Clima”

Os social-democratas querem que o Conselho para a Ação Climática faça o acompanhamento das alterações climáticas e da política do clima e funcione como entidade independente com obrigação de prestar contas à Assembleia da República.

Potencial de aquecimento global diminuiu 4,5% em 2018

Segundo os dados, como sucede desde 1999, “o ramo de atividade económica que mais contribuiu para o potencial de aquecimento global foi a energia, água e saneamento (32,2%)”, sendo que face a 2017, “este foi também o ramo de atividade que mais reduziu as suas emissões (-11,4%)”.
Comentários