PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

Com os meios que vão ser “disponibilizados para combater a crise económica e social provocada pela Covid-19, estamos num momento único para Portugal relançar a atividade económica na totalidade do território nacional através da gestão integrada das florestas e Matos. Assim, podemos criar postos de trabalho no interior do país, tornando a gestão florestal eficiente, promovendo novas oportunidades de I&D e a produção nacional de pellets destinada às centrais a biomassa capazes de gerar eletricidade 100% nacional, renovável, valorizando ativos de energia despachável”.

É por isto que um dos maiores especialistas portugueses em engenharia florestal propôs ao Governo a criação de uma Plataforma Integradora da Gestão Florestal. Trata-se de um projeto a que Pedro Moura, ex-CEO da Portucel Moçambique, já afastado da vida profissional, dedicou muitos estudos nos últimos 30 anos, tendo concluído no final de 2019 o modelo de uma Plataforma Florestal que, referiu ao Jornal Económico, pode “otimizar a gestão do espaço florestal em Portugal, com vantagens óbvias para a diminuição dos riscos de incêndios de verão e para a criação de muita riqueza que tem vindo a ser desaproveitada durante décadas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fim de semana vai ter aumento de temperaturas. Termómetros chegam aos 21 graus

As temperaturas vão subir ligeiramente no fim de semana porque a depressão que tem gerado precipitação vai passar a ter “menos influência no estado do tempo em Portugal Continental”, avisou o IPMA ao Jornal Económico. Haverá, porém, alguma nebulosidade.

Presidência UE: Trinta organizações pedem transição climática justa

Os subscritores pedem também que as metas climáticas da UE evitem prejudicar o acesso de bens de mercados emergentes como os de África ao mercado comunitário, além de que se deve reforçar a contribuição europeia para os fundos destinados a apoiar os países em desenvolvimento na luta contra as alterações climáticas.

ONG processam grupo francês por desflorestação no Brasil e na Colômbia

A ação judicial, cujos promotores asseguram que é “inédita” e que esperam que seja resolvida em ano e meio, foi apresentada na cidade de Saint-Étienne (sudeste da França), onde está localizada a sede do Grupo Casino, que controla a marca Pão de Açúcar no Brasil e a Éxito na Colômbia.
Comentários