Pedro Nuno Santos diz que rotas do Porto não são as únicas a dar prejuízo à TAP. Invicta fica com 10 rotas no inverno

As rotas da TAP no Porto voltam a criar polémica. Depois do ministro ter dito ontem no Parlamento que quatro rotas da invicta estavam a dar prejuízo à TAP, hoje vem dizer que não são as únicas. Rui Moreira voltou hoje a criticar fortemente a postura da TAP para com o Porto. Governo diz que Porto vai ficar com 10 rotas da TAP no inverno, menos uma que atualmente.

Cristina Bernardo

O ministro das Infraestruturas veio hoje a público esclarecer que as rotas do Porto não são as únicas a dar prejuízo à TAP, depois das suas declarações ontem no Parlamento.

“A TAP está neste momento a perder dinheiro em praticamente todas as rotas, incluindo aquelas que se fazem a partir do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Esse é, como é visível, o cenário em praticamente todo o setor da aviação”, disse o ministério das Infraestruturas esta sexta-feira.

Segundo a tutela, atualmente “existem 11 rotas operadas pela TAP a partir do Porto e que, apesar de praticamente todas as companhias estarem a reduzir fortemente a operação no Inverno, a TAP vai manter 10 rotas no Porto. Ou seja, apenas uma a menos do que no Verão. Isto demonstra o grande compromisso da companhia aérea pública com a região”.

“A TAP se encontra a elaborar um plano de reestruturação em que, como avançou o ministro das infraestruturas e da Habitação, se pretende apostar na TAP Express para ser um dos instrumentos que permita à TAP aproveitar melhor os aeroportos de Porto e Faro”, reforçou, depois de ter anunciado esta medida ontem no Parlamento.

No Parlamento na quinta-feira, o ministro apontou que quatro rotas a partir do Porto estavam a dar prejuízos à TAP.

“Depois de tomarmos uma posição mais assertiva na empresa, ainda antes de estar fechado o negócio [compra da participação de David Neeleman pelo Estado português] foram abertas quatro rotas no Porto – Amesterdão, Milão, Zurique e Ponta Delgada. Nestas quatro rotas estamos com 46% da lotação em média”, disse ontem Pedro Nuno Santos.

“Foram criadas em resposta a um desafio que foi lançado e são neste momento um prejuízo para a TAP”, afirmou na comissão parlamentar de economia esta quinta-feira.

Depois das declarações do ministro, o autarca do Porto reagiu esta sexta-feira. “Pelos vistos, são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo à TAP. As rotas de Lisboa darão lucro. A nova rota Lisboa/Bilbau deve ser um ‘must’ em termos de rentabilidade e importantíssima para uma estratégia nacional. Promover visitas ao Guggenheim basco é ‘top’. Mas, senhor ministro, são boas notícias”, disse Rui Moreira nas redes sociais.

“Se são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo, pare com elas. Mas, por favor, incorpore a TAP na Carris ou na muito rentável Soflusa. Nós não nos importamos, havemos de encontrar uma solução. Para Lisboa é ótimo: fica com a TAP que, sem o prejuízo do Porto, deixa de ser um perdócio”, escreveu o autarca.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Nuno Santos: quatro rotas a partir do Porto estão a “dar prejuízo” à TAP

O ministro das Infraestruturas disse hoje o objetivo no plano de reestruturação é que a companhia aérea mantenha o seu centro operacional no aeroporto de Lisboa.

TAP pode vir a operar aviões mais pequenos a partir do Porto e Faro para combater low cost

O objetivo seria voar a partir destas duas cidades usando os aviões da Tax Express para aeroportos mais baratos na Europa, normalmente fora das grandes cidades, para fazer concorrência a companhias aéreas low cost como a Ryanair, Easyjet e Transavia. Medida está a ser estudada no âmbito do plano de reestruturação.

TAP vai perder 1.600 trabalhadores este ano

O ministro das Infraestruturas fez hoje um ponto de situação na companhia aérea que é maioritariamente detida pelo Estado português. Até agora, saíram 1.200 trabalhadores da empresa e vão sair mais 400 até ao final do ano.
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários