Pedro Nuno Santos: “A TAP é demasiado importante para a deixarmos cair”

Em audição na comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas e Inovação, o ministro das Infraestruturas ainda não esclareceu se o Governo vai optar pela nacionalização da companhia aérea nacional, conforme avançado hoje pelo jornal Expresso.

José Sena Goulão/Lusa

“A TAP é demasiado importante para deixarmos cair a TAP. Mil e duzentos milhões de euros é muito dinheiro, temos de fazer uma gestão criteriosa desse dinheiro, o que implica que nós consigamos deixar a TAP com uma dimensão que não aponte a uma ‘TAPzinha’, deixe a TAP com maiores probabilidades de sustentabilidade e de viabilidade futura”, defendeu há minutos Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação, durante uma audição da comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas e Habitação, que está a decorrer na Assembleia da República.

Na sua intervenção nesta audição, Pedro Nuno Santos não esclareceu se o Governo vai optar pela nacionalização, mas ficou claro que o cenário de falência  da companhia aérea nacional parece estar afastado.

O jornal Expresso avança hoje que o Estado português vai avançar para a nacionalização da TAP depois de o Estado não ter chegado a acordo com os acionistas privados sobre as condições para a injeção de 1.200 milhões de euros do Estado na companhia aérea. Apesar de o deputado do PSD Cristóvão Norte se ter referido à notícia do Expresso na sua intervenção, o ministro ainda não confirmou ou desmentiu a notícia avançada pelo jornal.

Em resposta um interpelação do deputado social-democrata Cristóvão Norte, o ministro das Infraestruturas disse que “quando falamos da TAP, não podemos ficar limitados aos resultados da empresas, é um desastre de análise”.

E recordou que 90% dos turistas que chegam a Portugal vêm por via aérea e que, destes, cerca de metade são trazidos pela TAP, sublinhando que a companhia aérea nacional “é a maior exportadora nacional”, que emprega 10 mil pessoas, que compra 1.300 milhões de euros a empresas nacionais e que paga 300 milhões de euros em impostos e contribuições para Segurança Social.

“Do ponto de vista económico e social, seria um desastre para o país perder a TAP”, sublinhou o ministro das Infraestruturas, assinalando que “temos uma responsabilidade perante o país, a TAP é fundamental”. “Só os fanáticos da Iniciativa Liberal, que são fanáticos religiosos e têm uma religião que é o mercado livre, acham que nos podemos dar ao luxo de deixar cair a TAP. Acham que no dia seguinte a TAP é substituída por outra companhia qualquer”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

Pandemia agrava prejuízos da TAP no primeiro trimestre para 395 milhões de euros

Com as medidas de confinamento, o mês de março afetou o resultado do primeiro trimestre da companhia aérea portuguesa, mês em que o EBITDA caiu 80,4 milhões de euros para 46,3 milhões de euros negativos.

SITAVA critica administração da TAP por deixar aviões no chão

Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e dos Aeroportos acusa a administração de Antonoaldo Neves em toda a linha e conclui que “até a Ryanair faz melhor que a TAP”.

Rui Rio: “Não vale a pena meter um euro na TAP se não houver um plano de negócios consistente”

Líder social-democrata voltou a defender que são necessário critérios para a ajuda de emergência do Estado à TAP. “Se o Estado português mete  dinheiro, obviamente que é o Estado português que tem que tomar a principal responsabilidade”, afirmou.
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários