Pedro Pinto Coelho deixa presidência do BNI Europa

O ex-CEO do BNI Europa acaba de anunciar a saída no Linkedin. O BNI Europa que está à venda desde que o grupo chinês KWG, desistiu do acordo de compra do banco português em abril de 2020, por causa da crise da pandemia.

Foto cedida

O BNI Europa perdeu o seu CEO. Pedro Pinto Coelho anunciou na rede social Linkedin que se juntou à Duff and Phelps, uma empresa da Kroll, como consultor sénior. “Estou ansioso por essa nova jornada e darei a minha melhor contribuição para a empresa”.

Pedro Pinto Coelho era o CEO do BNI Europa que está à venda desde que o grupo chinês KWG, desistiu do acordo de compra do banco português em abril de 2020, por causa da crise da pandemia.

O Eco avançou que o BNI Europa fez um aumento de capital de 4 milhões de euros no mês passado, que serviu para melhorar os rácios de capital do banco, de acordo com as exigências regulamentares, e na sequência do aumento as imparidades (como a generalidade do sector) em contexto de pandemia. As contas do BNI Europa até setembro de 2020 revelavam imparidades para ativos financeiros de cerca de 4,6 milhões de euros, um aumento de mais de três milhões face a março.

O BNI Europa é detido pelo angolano BNI, do qual o ex-vice-governador do Banco Nacional de Angola Mário Palhares é o principal acionista e se tornou presidente da comissão executiva ainda no ano passado.

O banco português de capitais angolanos teve prejuízos de quase oito milhões nos primeiros nove meses de 2020 e ainda não apresentou contas anuais.

Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários