PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

A primeira sequência está completa. Aos 54 anos, Pedro Santa Clara abre a “sua” segunda escola em Portugal. Chama-se 42 e nela aprende-se programação gratuitamente, graças ao modelo filantrópico financiado por empresas e privados que o professor de Finanças, que liderou o projeto do campus de Carcavelos da Nova SBE, aqui implementou.

Uma antiga tipografia no bairro lisboeta da Penha de França acolhe esta escola digital de vanguarda, que não tem professores, nem faz avaliação. O seu eixo dorsal é uma plataforma tecnológica usada no campus, uma vez que as aulas são presenciais. “É o reconhecimento de que aprender é uma experiência social e que a colaboração entre as pessoas é fundamental no processo de aprendizagem. Na 42 usamos muita tecnologia para tornar a experiência presencial muito melhor do que numa escola tradicional”, salienta Pedro Santa Clara ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Escola de programação 42 abre em Lisboa. Não tem professores nem avaliação e é grátis para os alunos

Projeto inovador, apresentado esta segunda-feira, é dirigido por Pedro Santa Clara, que liderou o campus da Nova SBE. Conta com financiamento do Banco Santander, Vanguard Properties e da empresária sino-americana, Ming C. Hsu, ente outros.
Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.
Comentários