Pedro vs André. As frases mais ‘inflamadas’ trocadas entre dois advogados

Pedro Pardal Henriques e André Matias de Almeida são colegas de profissão mas estão em lados diferentes da barricada num conflito laboral que já vai no quarto dia. Leia as frases mais polémicas proferidas entre os protagonistas que marcam a agenda mediática nos últimos dias.

pedro-pardal-henriques-SNMMP
António Pedro Santos / Lusa

“Isto não é uma guerra para ver quem ganha ou quem perde. Neste momento já há derrotados como as empresas que sofrem diariamente com o impacto das relações laborais que têm. Principais derrotados são os trabalhadores que já não vão ter os aumentos para 2020”

André Matias de Almeida, porta-voz do Sindicato de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) (08-08-2019)

“O que é estranho, e é isso que não podemos permitir, é que esta discussão se esteja a ter outra vez. Nós já tivemos esta discussão em maio. Assinámos um documento em maio que comprometia toda a gente a negociar em paz social até 31 de dezembro de 2019. Foi incumprido”

André Matias de Almeida, porta-voz do Sindicato de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) (12-08-2019)

 

“Acho que [os portugueses] merecem um pedido de desculpas e acho que a Antram [associação de empresas] já devia ter tido a decência de pedir desculpa a estas pessoas”

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (15-08-2019)

 

“Acordo que foi assinado à revelia de tudo aquilo que os motoristas pretendiam. O país está em estado de crise energética porque os motoristas têm-se revoltado e têm reclamado condições que não são aquelas que estão no acordo, e a Antram e a Fectrans resolveram celebrar um acordo contra a vontade dos motoristas”

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (15-08-2019)

 

“É fácil dizer que não está presente quando atrás de nós temos um Governo, temos as Forças Armadas que tudo fazem para impedir [a greve], temos as forças policiais (…), temos ministros a anunciar que se estas pessoas manifestarem o direito à greve podem incorrer na pena de prisão até dois anos”

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (15-08-2019)

 

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas

“Levantem a greve e reunimo-nos sexta-feira”. Antram pede fim da greve para retomar negociações

SNMMP pediu ao Governo para mediar negociação com a Antram mas os patrões só aceitam negociar após ser decretado o fim da greve.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_1

“Há a possibilidade de reunir já amanhã”, diz presidente da SNMMP

Francisco São Bento, presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, realçou que, apesar de se tratarem de reuniões bi-partidas, há a possibilidade de reunir já esta sexta-feira.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_1

Governo vai mediar conflito entre motoristas e Antram mas avisa: “Em contexto de greve, é difícil”

Mediador do Governo vai entrar em contacto com a Antram já esta sexta-feira mas avisa que “negociar em contexto de greve é difícil”.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

SNMMP pede mediação do Governo para negociações

Ao quarto dia de greve, este sindicato pediu mediação do Governo nas negociações com a Antram.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários