Pena de prisão até dois anos ou multa até 240 dias. E se os motoristas não cumprirem a requisição civil?

A moldura penal para o crime de desobediência qualificada está prevista no nº2 do artigo 348 do Código Penal. Assim, quem cometer este crime pode incorrer numa pena de prisão de até dois anos ou numa pena de multa até 240 dias.

A advogada especialista em Direito do Trabalho, Rita Garcia Pereira, explicou ao Jornal Económico as consequências previstas no sistema jurídico português em caso de incumprimento das obrigações impostas ao abrigo da requisição civil.

Assim, em primeiro lugar, explicou a especialista, os motoristas que se recusarem a cumprir com as obrigações impostas pela requisição civil estão a praticar um crime, uma vez que estão a violar o disposto no artigo nº547 do Código do Trabalho, que prevê o crime de desobediência qualificada.

Incorre em crime de desobediência qualificada aquele que “não apresentar o serviço com competência inspectiva do ministério responsável pela área laboral documento ou outro registo por este requisitado que interesse ao esclarecimento de qualquer situação laboral”.

Atenção porque se for provada a co-autoria na prática deste crime por parte das associações sindicais, também poderão responder por este crime.

A moldura penal para o crime de desobediência qualificada está prevista no nº2 do artigo 348 do Código Penal. Assim, quem cometer este crime pode incorrer numa pena de prisão de até dois anos ou numa pena de multa até 240 dias.

Além disso, os motoristas poderão ainda perder o emprego por despedimento por justa causa, disse Rita Garcia Pereira. O Código do Trabalho estabelece, no artigo na alínea l) do nº2 do artigo 351 que “incumprimento ou oposição ao cumprimento de decisão judicial ou administrativa” constitui justa causa para o despedimento do trabalhador.

Os motoristas poderão ser ainda responsáveis em matéria civil ao abrigo da responsabilidade subjectiva que é dependente de culpa e está prevista no artigo 483 do Código Civil.

Ler mais
Relacionadas

Fectrans reúne com Antram. Por que é que a estrutura sindical não se juntou à greve?

A Fectrans, filiada na CGTP, não aderiu à greve dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas e, esta quarta-feira, vai retomar negociações com a entidade patronal Antram.

Requisição civil no transporte para aeroporto de Faro não foi cumprido

O ministro do ambiente, Matos Fernandes, anunciou, esta quarta-feira, que foi registado um “caso de incumprimento da requisição civil que é o transporte de Loulé para o Aeroporto e Faro”. Sobre os serviços mínimos generalizados diz que a avaliação será feita no final do dia.

Governo pondera alargar requisição civil entre hoje e amanhã

Matos Fernandes assegurou ainda que nas últimas 24 horas se verificou apenas mais um caso “inequívoco de incumprimento” da requisição civil decretada, relativo a seis camionistas que não comparecerem no local de trabalho em Loulé, para abastecer o aeroporto de Faro.

Pardal Henriques diz que requisição civil não vai ser respeitada. Governo garante que serviços mínimos estão a ser cumpridos

O porta-voz do sindicato dos motoristas avisa que os motoristas não vão recuar e desconvocar a greve que decorrerá por tempo indeterminado. Aos jornalistas, Pardal Henriques conta que os serviços mínimos não vão ser respeitados.
Recomendadas

Oficial: Governo decreta fim da crise energética a partir da meia-noite

António Costa fala numa “vitória da democracia e da legalidade democrática” e que Portugal soube mostrar uma “grande maturidade”. Primeiro-ministro revela que a reposição da total normalidade dos combustíveis demorará dois a três dias.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.

Brexit sem acordo levará a escassez de combustível, comida e fármacos

O documento divulgado pelo “Sunday Times” estima também que até 85% dos camiões que atravessam o Canal da Mancha “podem não estar preparados” para as formalidades das alfândegas francesas, o que provocaria longas filas que podem prolongar-se por dias.
Comentários