“Pensamento Crítico”. “Pandemia alertou o consumidor para as energias renováveis”

O programa da plataforma multimédia JE TV contou com a presença de Sofia Tavares, diretora de Product Marketing B2B da EDP Comercial; António Coutinho, CEO da EDP Inovação; Paulo Curto, especialista em Gás e Petróleo e António Vidigal, ex-CEO da EDP Inovação.

O programa “Pensamento Crítico”, da plataforma multimédia JE TV e da autoria de Marco Silva, consultor estratégico e de investimentos, debateu, na última edição, o futuro da energia.

Petróleo, gás, hidrogénio azul ou verde, renováveis, nuclear e eletrificação da economia, são tópicos essenciais para perceber qual o caminho da sustentabilidade energética ambiental.

Onde deve Portugal e a Europa apostar para tentar apanhar o ritmo que está a ser imposto pela China, o maior produtor de hidrogénio, baterias para veículos elétricos e de materiais raros essenciais à disrupção energética.

O programa da plataforma multimédia JE TV contou esta semana com a presença de Sofia Tavares, diretora de Product Marketing B2B da EDP Comercial; António Coutinho, CEO da EDP Inovação; Paulo Curto, especialista em Gás e Petróleo e António Vidigal, ex-CEO da EDP Inovação.

Relacionadas

Futuro da energia: Como vai Portugal apanhar o ‘comboio’ da transição energética? Veja o “Pensamento Crítico”

O programa da plataforma multimédia JE TV conta esta semana com a presença de Sofia Tavares, diretora de Product Marketing B2B da EDP Comercial; António Coutinho, CEO da EDP Inovação; Paulo Curto, especialista em gás e petróleo e António Vidigal, ex-CEO da EDP Inovação.
Recomendadas

Os caminhos da recuperação empresarial

Com a perspetiva do aumento das insolvências, vários mecanismos visam a celeridade e eficiência na recuperação de empresas.

Via extrajudicial continua sem ter interessados

O RERE foi criado como alternativa à vida judicial, mas não tem tido a adesão empresas. Associação de mediadores diz que falta informação.

BES: Pareceres atribuem prejuízos da recompra de obrigações à administração que sucedeu a Salgado

Dois pareceres juntos pela defesa de Ricardo Salgado no processo do Eurofin atribuem à gestão que lhe sucedeu a responsabilidade pelos prejuízos gerados pela recompra das obrigações BES e que levaram à sua condenação pelo supervisor.
Comentários