Pensões e salários até 632 euros podem ficar isentos de IRS

Até agora só estão isentos de pagar IRS os contribuintes que recebam 607 euros brutos mensais, ou seja, 8847 brutos anuais.

O patamar mínimo para a isenção de IRS deverá ficar fixado nos 8.850 euros brutos anuais, ou seja, 632 euros mensais, noticia esta sexta-feira o Correio da Manhã.

O Executivo está a preparar este novo patamar de mínimo de existência, antes fixado nos 8.500 anuais. Esta é uma alteração apresentada ao PCP e ao Bloco de Esquerda (BE) nas negociações do Orçamento de Estado (OE18), e passa por estabelecer o valor em 1,5 vezes o Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

A medida permite avaliar “centenas de milhares de contribuintes”, avançou ao CM fonte conhecedora do processo.

Até agora só está isento de pagar IRS quem recebe 607 euros brutos por mês, um valor que passará para 631,98 euros – ou seja, 8.847 euros brutos anuais.

Em 2015, segundo dados do Fisco, havia em Portugal 1,54 milhões de contribuintes com rendimentos anuais brutos entre 5 e 10 mil euros, a parcela que sentirá mais alívio. No entanto, os restantes contribuintes também vão sentir um alívio, já que o mínimo de existência é descontável ao valor tributável.

O diário escreve ainda que sabe que o Executivo não quer voltar a indexar o mínimo de existência ao salário mínimo nacional, para evitar que isso resulte num “travão” à subida anual.

Relacionadas

Governo alarga isenção de IRS a mais famílias

O aumento do ‘mínimo de existência’ vai sofrer uma subida, de forma a garantir que os contribuintes do primeiro escalão do imposto são abrangidos pelo alívio fiscal.
Recomendadas

Wall Street fecha com ganhos assinaláveis depois das quedas da semana anterior

O impacto inicial da Omicron parece ter sido corrigido, com os principais índices norte-americanos a subirem na sessão de hoje. Destaque para o sector tecnológico, cujos ganhos impulsionaram o Nasdaq a subir mais de 360 pontos.

Portugal é o 13º país da UE que maior percentagem de gastos públicos dedica a I&D

A investigação e desenvolvimento sofreu no último ano, com o valor total investido pelos governos europeus a cair em relação a 2019, apesar do peso no PIB da UE até ter crescido, dada a queda deste indicador.

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.
Comentários