Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.

As perdas de 181 milhões de euros geradas pela Promovalor, empresa de Luís Filipe Vieira, foram pagas pelos contribuintes. Segundo informa o “Correio da Manhã” este domingo, 9 de maio, as despesas do grupo económico do presidente do Sport Lisboa e Benfica, são as segundas mais elevadas na lista dos 20 maiores devedores do Novo Banco (NB).

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB, através do ACC.

Segundo o ACC, o Novo Banco incluiu as perdas do grupo económico de Luís Filipe Vieira em duas alturas distintas: 139 milhões de euros, entre 1 de julho de 2016 e 31 de dezembro de 2017, e 42 milhões de euros, entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2018.

De recordar que Luís Filipe Vieira será ouvido na segunda-feira, 10 de maio, na comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco.

Recomendadas

Novo Banco: PSD contraria Mourinho Félix quanto à retransmissão de obrigações de 2015

Acusando o antigo governante socialista de dizer “coisas que contradizem os factos”, Hugo Carneiro contrariou a versão de Mourinho Félix quanto à subida dos juros após a retransmissão de obrigações em 2015, dizendo que esta aconteceu sim após a apresentação do Orçamento do Estado de 2016.

Resolução do BES seria sempre preferível à liquidação, defende Vítor Constâncio

Vítor Constâncio reiterou que “naquela circunstância, naquele momento, com aqueles dados finais do final de julho, não havia outra alternativa melhor do que encaminhar-se para um processo de resolução”.

António Horta-Osório condecorado pela rainha Isabel II com título de ‘Sir’

O antigo presidente-executivo do banco Lloyds foi reconhecido pela monarca pelo “serviço importante para os contribuintes do Reino Unido nos últimos 10 anos, liderando o Lloyds Banking Group da beira do colapso de volta à lucratividade”. 
Comentários