Pesca do atum contribui para queda abrupta do setor na Madeira

No primeiro semestre a quantidade pescada de atum caiu 47,3%, na Madeira, enquanto que o valor arrecadado quebrou 39,6%.

A quantidade de peixe descarregado, bem como o valor recebido pelo pescado, registaram perdas de 37,6% e de 25,3%, influenciados pelo desempenho da pesca do atum, no primeiro semestre, quando comparados com o período homólogo, diz a Direção Regional de Estatística (DREM).

A influenciar estas fortes quebras está a diminuição da quantidade de atum e similares pescado, no primeiro semestre, que caiu 47,3% enquanto que o valor de primeira venda sofreu um decréscimo de 39,6%.

Mesmo com esta queda assinalável o atum continua a representar 56,3% das capturas de peixe no primeiro semestre na Madeira.

No primeiro semestre foram capturadas 2.919 toneladas de pescado o que representa um valor de 9,2 milhões de euros, refere a DREM.

O preço médio para o atum foi de 2,80 euros, no primeiro semestre, o que representa uma subida face aos 2,45 euros no período homólogo. No pescado o preço médio subiu dos 2,62 para os 3,14 euros, uma tendência que se confirma também no peixe espada-preto que passou dos 3,36 para os 3,82 euros.

Relacionadas

Pesca da sardinha com novas limitações a partir de hoje

Os pescadores nacionais podem, a partir de hoje e até dia 30 de setembro, capturar 3.144 toneladas de sardinha, abaixo das 4.855 toneladas autorizadas até ao final de julho, estipulou o Governo.

Capturas de peixe espada preto em queda

O 1.º trimestre de 2018 caraterizou-se por quebras homólogas tanto nas quantidades capturadas de pescado como no valor de primeira venda. Foram capturadas 641,6 toneladas, num total trimestral de 2,5 milhões de euros.

Governo da Madeira anuncia regulamentação para a pesca artesanal

Albuquerque diz também que vai criar uma linha de crédito bonificada para a reparação de embarcações.
Recomendadas

Atividades turísticas na Madeira só retomam a normalidade em setembro

Para as embarcações com lotação até 60 passageiros é admitida a ocupação até 70% da sua capacidade, até ao final do próximo mês de junho, 90% durante o mês de julho, e sem qualquer restrição de lotação, a partir do mês de agosto do corrente ano.

Madeira: JPP quer faseamento do IMI em cinco prestações

“Acreditamos que esta é uma forma de apoio direto a estas famílias e representa um alívio no pagamento do imposto que mais pesa sobre a carteira dos contribuintes”, refere Rafael Nunes.

Habitação valoriza 0,8% na Madeira

Em abril a avaliação bancária da habitação atingiu os 1.147 euros por metro quadrado, o que torna a Madeira a terceira região do país com o valor mais elevado, atrás da Área Metropolitana de Lisboa e do Algarve.
Comentários