Petição pública para afastar Ivo Rosa ultrapassa os 170 mil assinantes

Os peticionários consideram que “a conduta do Juiz Ivo Rosa já foi várias vezes posta em causa por parte do Ministério Público (MP), por este sistematicamente violar as Leis”.

Depois de na sexta-feira o juiz Ivo Rosa ter apresentado a decisão instrutória aos 28 arguidos da Operação Marquês foi criada uma petição pública que pretende afastar Ivo Rosa “de toda a magistratura” e já ultrapassou os 170 mil assinantes.

A petição, assinada por 176.543 pessoas, foi criada por Vítor Neves e aponta que “a conduta do Juiz Ivo Rosa já foi várias vezes posta em causa por parte do Ministério Público (MP), por este sistematicamente violar as Leis, e criticado por Juízes desembargadores sobre decisões tomadas”.

“Este juiz foi o que absolveu arguidos no caso do ‘Gangue do Multibanco’, gangue este que se dedicou ao furto de ATM’s utilizando armas e recursos violentos por parte dos seus arguidos. O MP deste processo provou os referidos assaltos, efetuados durante a noite, recorrendo a veículos de alta cilindrada furtados e pondo em causa a tranquilidade e a ordem pública”, dizem os peticionários.

Sobre o caso judicial associado ao antigo primeiro-ministro, os peticionário asseguram que “perante todas as provas já produzidas, quer nos vários acórdãos na Justiça, quer nos meios de comunicação social, sobre a dúbia conduta deste Sr. Juiz Ivo Rosa subscrevemos que o mesmo não têm condições para ficar à frente do Processo “Operação Marquês”. “Este Processo exige o total esclarecimento e condenação, se ficar provado, de Todos aqueles que lesaram Portugal e os Portugueses”, completam.

Na sexta-feira ficou decidido que dos 40 crimes de fraude fiscal que tinham sido imputados pela acusação a nove arguidos e a cinco empresas da Operação Marquês, nenhum deles será julgado. Quanto aos arguidos, dos 28 apenas cinco vão a julgamento: José Sócrates, Ricardo Salgado, Carlos Santos Silva, Armando Vara e João Perna.

Relacionadas

Operação Marquês: PGR compreende perplexidade sobre decisão instrutória

A procuradora-geral da República admitiu hoje compreender “alguma perplexidade” manifestada por vários setores da sociedade a propósito da decisão instrutória da Operação Marquês, que desconsiderou a maioria dos crimes imputados pelo Ministério Púbico (MP).

Acionistas da EDP Renováveis aprovam dividendo e aumento de capital em AG

Os 11 pontos na agenda da AG da energética foram aprovados, incluindo a nomeação do conselho de administração liderado por Miguel Stilwell D’Andrade. Além do pagamento de 69,9 milhões de euros em dividendos, os acionistas aprovaram ainda uma distribuição complementar proveniente de reservas voluntárias, de até 7,06 milhões.

Sócrates diz que “Operação Marquês” foi “marco importante” na afirmação da extrema-direita

Num artigo de opinião publicado no jornal “Público” esta segunda-feira, o ex-chefe de Governo diz que a “Operação Marquês” “nunca foi um processo judicial, mas um processo político”. Acusa o juiz Ivo Rosa de alterar os factos “sem comunicar aos visados” e pronunciá-lo por um crime de que “nunca” esteve acusado.
Recomendadas

Operação Marquês: Ricardo Salgado e Armando Vara começam a ser julgados em junho

O antigo presidente do Banco Espírito Santo, que estava acusado de 31 crimes, vai a julgamento por três crimes relacionados com abuso de confiança. Armando Vara será julgado pelo crime de branqueamento de capitais.

De Costa a Portas: como o país político reagiu à decisão instrutória da Operação Marquês

Da esquerda à direita, o país político reagiu à decisão da instrução sobre a Operação Marquês e que fez cair todos os crimes de corrupção apontados ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Operação Marquês: PGR compreende perplexidade sobre decisão instrutória

A procuradora-geral da República admitiu hoje compreender “alguma perplexidade” manifestada por vários setores da sociedade a propósito da decisão instrutória da Operação Marquês, que desconsiderou a maioria dos crimes imputados pelo Ministério Púbico (MP).
Comentários