Petrobras compra participação da BP em campo de petróleo na Amazónia

São seis áreas de concessão localizadas no norte do Brasil, em águas ultraprofundas, a 120 quilómetros do litoral do estado do Amapá, que foram adjudicadas em 2013 a um consórcio formado pela empresa francesa de energia Total (40%), pela britânica BP Energy (30%) e pela Petrobras (30%).

A estatal brasileira Petrobras anunciou esta terça-feira que comprará a participação da britânica BP Energy num controverso projeto de exploração de petróleo e gás, fortemente criticado por grupos ambientalistas por estar localizado na foz do rio Amazonas.

São seis áreas de concessão localizadas no norte do Brasil, em águas ultraprofundas, a 120 quilómetros do litoral do estado do Amapá, que foram adjudicadas em 2013 a um consórcio formado pela empresa francesa de energia Total (40%), pela britânica BP Energy (30%) e pela Petrobras (30%), e que agora ficarão exclusivamente nas mãos da maior petrolífera brasileira.

Isso ocorrerá porque, em setembro passado, a Total anunciou a sua retirada e assinou um acordo com a Petrobras para que assumisse a sua parte no consórcio, acordo que ainda aguarda a aprovação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP, órgão regulador).

O grupo francês optou pela saída total do projeto após receber críticas da organização não-governamental Greenpeace, que denunciou que um recife de coral na foz do Amazonas corre perigo em caso de possível fuga de petróleo, devido à proximidade das perfurações, algo que, de acordo com a Total, não era certo, porque, segundo a companhia, não havia recifes naquela zona de exploração.

O acordo firmado com a BP Energy concederá 100% da participação do consórcio à Petrobras, mas a conclusão da operação ainda está sujeita à aprovação dos órgãos reguladores.

Segundo a Petrobras, o acordo firmado com a empresa britânica está em linha com o Plano Estratégico 2021-2025 da empresa, que prevê novas frentes de exploração e prioriza investimentos em ativos localizados em águas profundas e muito profundas, com o objetivo de maximizar os rendimentos para os acionista

Ler mais
Recomendadas

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Rede Nacional de Expressos reforça ligações em todo o território nacional

Os responsáveis da empresa criticam o facto de Portugal ser atualmente “o único país da União Europeia com este constrangimento de dois terços da lotação do transporte rodoviário, divergindo dos procedimentos europeus e criando dificuldades logísticas e financeiras ao nível do transporte nacional e internacional”.

Mercadona vai investir mais 150 milhões de euros em Portugal em 2021

A previsão para 2021 é de abrir mais nove lojas no nosso país. Com a finalidade de dar continuidade ao seu projeto de expansão em Portugal, a empresa recrutará 500 pessoas, sempre com contrato sem termo desde o primeiro dia.
Comentários