Petróleo: consumo ultrapassará os 100 milhões de barris por dia em 2020

A OPEP fez as contas tendo por base uma previsão de crescimento da economia mundial para o próximo ano de 3,2%, em linha com 2019, e com expectativa de que não haverá um agravamento da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

O consumo de petróleo a nível mundial irá ultrapassar, em 2020, pela primeira vez, os 100 milhões de barris por dia (mbd), mais 1,14% do que este ano, segundo dados apresentados pela OPEP citados pela Efe.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo revelou hoje, em Viena, que este aumento tem como principais impulsionadores as economias chinesa e indiana, durante a apresentação da sua análise mensal.

A OPEP fez as contas tendo por base uma previsão de crescimento da economia mundial para o próximo ano de 3,2%, em linha com 2019, e com expectativa de que não haverá um agravamento da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

A entidade assinalou, no entanto, alguns fatores de risco, como o alto nível de endividamento de alguns países, as consequências do ‘Brexit’ e uma queda da atividade industrial.

Ainda assim, a organização aponta para uma procura de 101,01 milhões de barris por dia em média.

Mesmo que se cumpram as previsões de que o consumo da China cresça menos do que este ano, o país asiático deverá absorver 13% de todo o crude extraído, ficando apenas atrás da Europa, que, mesmo assim, irá consumir menos 0,21%, de acordo com a OPEP.

Os dados recolhidos pela organização apontam ainda para um aumento da procura por parte da Índia, de 3,54%.

Por sua vez, a América Latina deverá consumir, no próximo ano, mais 1,3% de petróleo do que em 2019, principalmente nos setores dos transportes e indústria.

Brasil, Equador, Argentina e Venezuela são os países onde mais irá aumentar o consumo, segundo a apresentação da OPEP.

No que diz respeito ao abastecimento, a OPEP destaca que irá perder quota de mercado no próximo ano, altura em que a sua oferta cobrirá 29% da oferta mundial, face aos 30% previstos para este ano.

A organização recordou ainda que tinha acordado, junto de vários grandes produtores, como a Rússia, prolongar até março de 2020 uma redução voluntária da produção para fazer face a “incertezas” e evitar um excesso de oferta que desça os preços.

Face a isso, os EUA deverão aumentar a sua extração em 9%, para 20,26 mbd, estima a OPEP, recordando que, com a produção atual, as importações de crude do país já caíram 11% no primeiro semestre deste ano.

A Venezuela, por sua vez, assolada por uma crise económica e política, continua a extrair menos crude, sendo que em junho registou uma queda de 2,13% face a maio.

O embargo americano, tanto à Venezuela como ao Irão, tem prejudicado a atividade nos dois países, realça a OPEP, indicando que Teerão viu a sua produção cair 6% em junho.

Ler mais

Recomendadas

Graça Freitas: “Estádios com público esta época? Está dependente de avaliação rigorosa”

“Temos a capacidade de sermos flexíveis e de nos adaptarmos com medidas progressivas, vamos ter de continuar a avaliar a progressão da epidemia, em cada momento será feita a reavaliação do risco, como nos últimos meses, adaptam-se sempre as medidas ao risco presente, e ao que possa acontecer”, realçou a diretora da DGS.

Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

Precários Inflexíveis lamentam atraso e exigência “irracional e insultuosa” no apoio a trabalhadores independentes

A associação critica ainda o facto de logo ao acederem ao formulário os trabalhadores independentes se depararem com a necessidade de subscrever uma nova frase na declaração sob compromisso de honra, que têm de confirmar logo no início do pedido, a de que retomarão “a atividade profissional no prazo de 8 dias, após a data de reabertura declarada pelo Governo, caso a mesma tenha estado suspensa ou encerrada devida ao surto de covid-19”.
Comentários