Philip Morris Internacional admite deixar de vender cigarros em alguns países dentro de dez anos

“Conseguimos imaginar um mundo sem cigarros”, referiu o CEO da Philip Morris International.

O presidente-executivo da Philip Morris International, fabricante dos cigarros Marlboro, disse que a sua empresa iria parar de vender cigarros dentro de uma década, segundo a “Business Insider”.

“Conseguimos imaginar um mundo sem cigarros”, referiu Jacek Olczak. “E, na verdade, quanto mais cedo acontecer, melhor para todos. Com a regulamentação e as informações certas, isso pode acontecer daqui a 10 anos em alguns países. E pode resolver o problema de uma vez por todas”, completou.

Olczak também pediu ao governo do Reino Unido que proíba cigarros dentro de uma década, comparando-os aos carros movidos a gasolina, cuja venda deverá ser proibida no país a partir de 2030.

A Philip Morris International é separada da Philip Morris USA, que fabrica os cigarros Marlboro nos Estados Unidos e é uma divisão da empresa americana de tabaco Altria. A Philip Morris separou-se da Philip Morris USA em 2008 e recentemente anunciou planos de se transformar numa empresa livre de tabaco, bem como a sua intenção de comprar a farmacêutica britânica Vectura Group, que fabrica inaladores para asma.

Grupos anti tabaco no Reino Unido criticaram a venda, acusando as empresas de tabaco de tentarem-se posicionar como antitabagistas enquanto ainda vendem produtos de tabaco.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) fumar mata mais de 8 milhões de pessoas por ano.

Relacionadas

Philip Morris oferece 1,16 mil milhões por farmacêutica que criou tratamento inalatório da Covid-19

Esta sexta-feira, as ações da Vectura encerraram a semana a subir 14,01% para 154,60 libras (180,42 euros), depois da oferta da tabaqueira se tornar conhecida.
Recomendadas

Costa criticado à esquerda e à direita por declarações sobre a Galp

Os vários partidos políticos deixaram críticas sobre o ataque de António Costa à Galp pelo encerramento da refinaria de Matosinhos. Se à esquerda foi criticado pelas declarações que consideram ser tardias, à direita apontaram que em maio teve declarações contraditórias.

Evergrande chega a acordo para evitar incumprimento de uma das suas dívidas

O gigante imobiliário chinês Evergrande disse esta quarta-feira ter chegado a um acordo com os detentores de obrigações para evitar o incumprimento de uma das suas dívida.

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014 (com áudio)

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.
Comentários