PIB da Suécia deverá cair menos que os restantes países da União Europeia

A estratégia da Suécia para enfrentar a pandemia da Covid-19 gerou controvérsia. O governo sueco, liderado por Stefan Löfven, não permitiu que a economia parasse, resistindo à estratégia de confinamento e isolamento social levada a cabo por outros países da União Europeia. Agora, aquando dos resultados do PIB para o segundo trimestre, economistas preveem que Suécia deverá sofrer menos com os efeitos económicos da pandemia.

Primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven e o primeiro-ministro de Portugal, António Costa | Henrik Montgomery/Reuters

A Suécia não implementou qualquer estratégia de confinamento ou isolamento social à população devido à pandemia da Covid-19, contrariando o que foi feito pelos restantes Estados-membros da União Europeia (UE). Agora, de acordo com a Bloomberg, os economistas preveem que a economia sueca contraia menos do que a maioria dos países da UE, precisamente por não ter parado o país.

A estratégia foi controversa, mas pode agora valer à Suécia um caminho mais fácil para suportar os efeitos económicos provocados pelo surto epidemiológico do novo coronavírus. Esta quarta-feira, a Suécia vai publicar dados preliminares do produto interno bruto (PIB) entre abril e junho e os economistas consultados pela Bloomberg antecipam uma contração de 7%.

A dimensão da contração do PIB previsto para a Suécia não deixa de ser histórica para o país da Escandinávia. Mas, ainda assim, é um recuo muito inferior ao registado pelos parceiros europeus.

“A economia sueca não saiu ilesa. […] Mas acreditamos que a queda do PIB no segundo trimestre terá sido cerca de um terço do observado na zona euro, provavelmente”, defende o economista da Capital Economics David Oxley, citado pela Bloomberg.

Já o economista do banco dinamarquês Nordea, Torbjorn Isaksson, ouvido pela agência de informação financeira e económica, é mais cauteloso: “Não sabemos como a estratégia para o vírus afetará as economias a longo prazo”.

Segundo a estimativa rápida preliminar do Eurostat, revelada na sexta-feira, 31 de julho, o PIB da zona euro deverá ter afundado 15%, e contraído 14,4% na UE, no segundo trimestre. A queda deverá ser a maior desde 1995, comparando com a contração de 3,1% e de 2,5%, respetivamente, na zona euro e na UE, registada entre janeiro e março.

Segundo o Eurostat, entre abril e junho, o PIB de Espanha afundou 18,5%, a economia de Portugal regrediu 14,1% e em França o ritmo da economia tombou 13,8%.

Ler mais

Relacionadas

ISEG prevê queda do PIB português entre 8% e 10% em 2020

Esta estimativa de crescimento da economia para 2020 pressupõe que a crise sanitária “não irá evoluir de forma substancialmente mais negativa até ao final do ano”, diz o ISEG.
Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários