PIB português deve cair 5,6% em 2020. Mas Bankinter diz que há “alta” probabilidade para tombar 8,5%

O banco espanhol mantém uma queda de 5,6% do PIB português este ano como cenário base. No entanto, devido “elevado grau de incerteza”, existe uma probabilidade “relativamente alta” de o cenário pessimista vir a materializar-se e que corresponde a uma queda de 8,5% do PIB.

O produto interno bruto (PIB) português deverá cair 5,6% em 2020, segundo o cenário base do Bankinter, que foi revisto pelo Bankinter tendo em conta a evolução da Covid-19 na economia.

O banco espanhol considera que o país está perante “um choque económico profundo, mas não prolongado”.

“Embora ainda exista muita incerteza, nomeadamente ao nível da situação epidemiológica, os principais indicadores económicos já conhecidos permitem-nos concluir, com um certo grau de conforto, que o pior já terá ficado para trás, sendo que o “pior” não terá sido tão mau quanto se temia. Continuamos a defender um cenário de recuperação relativamente célere da economia, impulsionada sobretudo pela procura interna”, defende o Bankinter.

As estimativas do banco espanhol sobre a economia portuguesa mantiveram-se “praticamente inalteradas” face às perspectivas anteriores, que foram publicadas em março. Ainda assim, o Bankinter estima agora uma recuperação de 4,2% em 2021, ligeiramente inferior às estimativas anteriores, que apontavam para uma retoma de 4,7%.

O Bankinter deixou contudo um alerta: “estas previsões estão altamente condicionadas pela evolução futura da situação epidemiológica no país e no mundo, sobre a qual ainda existe um elevado grau de incerteza”. Por isso, devido ao aumento de novas infeções de Covid-19 em Portugal e o risco associado de uma paralisação mais prolongado do turismo, o Bankinter atribui “uma probabilidade relativamente alta” do cenário pessimista, que aponta para uma contração do PIB de 8,5% este ano, seguida de uma recuperação de 5,9% em 2021.

O Bankinter continua a defender uma recuperação da economia nacional “relativamente célere” e estima que uma subida homóloga de 0,5% no quarto trimestre, mas alerta que a “recuperação não será homogénea”.

“Apesar de prevermos uma retoma particularmente célere da procura interna, as exportações deverão demorar a reagir, sobretudo pelos efeitos prolongados da pandemia ao nível do turismo”, lê-se no relatório.

O consumo interno deverá recuperar “de forma relativamente célere” quando recuperar confiança porque o banco espanhol argumenta que as medidas de mitigação lançadas pelo Governo, de proteção de emprego e reforço da liquidez das empresas, aliadas ao confinamento, terão resultado “num aumento significativo da taxa de poupança”.

No mercado de trabalho — que o Bankinter considera que não será tão afetado como na crise financeira porque a atual conjuntura é “temporária” — o banco estima uma taxa de desemprego de 10,5% para este ano, “bastante longe dos máximos de 17,5% alcançados em 2012”. Ainda assim, a recuperação do emprego será progressivo a partir de 2020 e não deverá atingir os níveis registados pré-Covid-19 antes de 2022.

Para o investimento, o Bankinter tem perspetivas de retoma “favoráveis” impulsionada pela construção “cuja atividade praticamente não foi interrompida durante o período de confinamento”. Apesar disso, o investimento deverá contrair 6% este ano, antes de recuperar mais de 5% em 2021, também impulsionado pelo “contributo esperado” do investimento público quando o país tiver à sua disposição os fundos europeus no âmbito do Fundo de Recuperação.

Diferente será a procura externa, que deverá ser “bastante mais lenta”, principalmente devido à “paralisação prolongada do turismo”.

“O setor turístico, que foi um dos principais responsáveis pelo forte crescimento das exportações ao longo dos últimos anos, é agora o principal detrator do crescimento este ano. Mais além do levantamento das restrições aos voos e/ou da reabertura de fronteiras, é expectável que a confiança dos turistas (ou ausência dela) seja um fator impeditivo para uma rápida retoma do setor. Por outras palavras, dificilmente o setor recuperará alguma normalidade até que surja uma vacina para a Covid-19, algo que não se perspetiva que ocorra antes do início de 2021”, explica o banco espanhol.

Por outro lado, as importações também deverão cair este ano, o que irá compensar parte do efeito negativo da queda das exportações na balança comercial portuguesa.

O imobiliário deverá ter uma recuperação “relativamente lenta” e o Bankinter considera que os preços não voltem aos registados durante a era pré-Covid antes do próximo ano. Tal explica-se porque o desemprego criou uma quebra permanente de parte da procura e também porque muitas decisões sobre compra de casa “terão sido adiadas entre 12 a 18 meses”.

O Bankinter antecipa uma quebra dos preços das casas de cerca de 4% em 2020, seguindo-se uma queda de 1,5% no ano seguinte, recuperando depois 5% em 2022.

No que diz respeito às finanças públicas, o Bankinter defende que ainda é “difícil” apurar o impacto das medidas do Governo para mitigar o impacto económico da pandemia. “Grande parte dos estímulos têm a forma de garantias a linhas de crédito às empresas, pelo que só impactarão diretamente as contas públicas caso as empresas entrem efetivamente em cumprimento”, diz o relatório.

No cenário base, o Bankinter estima um défice de 6,7% este ano e de 3% em 2921 e um rácio de dívida pública face ao PIB de 130% e 132%, respectivamente.

“Perante este contexto, seria razoável esperar aumento substancial do spread de risco português, contudo o programa de compra de dívida do BCE – denominado PEPP, num total de 1,35 biliões euros – irá continuar a pressionar em baixa os juros portugueses, o que é um fundamental numa altura em que Portugal terá que recorrer aos mercados para financiar as medidas orçamentais de resposta à pandemia”, refere o banco espanhol.

Ler mais

Relacionadas

Bankinter estima que PIB português pode cair 5,6% em 2020

Paralização do turismo por tempo superior ao inicialmente previsto e queda da economia mais severa no final de março e em abril pesaram na revisão em baixa do Bankinter Portugal sobre o desempenho económico de Portugal em 2020.

Linhas Covid-19: Banca aprovou crédito no valor de 6,5 mil milhões de euros até maio. Mas só 3,2 mil milhões chegaram às empresas

Segundo dados consultados pelo JE, até ao mês de maio de 2020, as operações de crédito efetivamente concretizadas pela banca somavam 3,3 mil milhões de euros, mas o montante de financiamento aprovado total ascendeu a 6,5 mil milhões de euros. A diferença entre o financiamento aprovado pela banca e o crédito que efetivamente chegou às empresas é esta: 3,2 mil milhões de euros.

BlackRock baixa recomendação das ações norte-americanas de ‘overweight’ para ‘neutral’. Mercado de dívida privada tem oportunidades de rentabilidade

A BlackRock apresentou esta quinta-feira a estratégia de investimento que foi ajustada tendo em conta o impacto da pandemia na economia e na sociedade. A maior gestora de ativos do mundo defende agora que os investidores devem dar primazia às ações europeias e ao mercado do crédito, nomeadamente dívida corporativa e soberana dos países da periferia europeia.
Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários